Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Despedidas.

por FJV, em 21.05.08

  

Nunca se devia dizer nada, nunca se devia chorar desta maneira. Torcato Sepúlveda, amigo de muitas horas, de muitas conversas, meu companheiro de tanta literatura gasta e por gastar, a voz, a fúria, a zanga, os livros, a memória de muitas páginas, o leitor amável, o leitor furioso, o céptico entusiasta, os bancos de jardim, o Jardim da Parada logo de manhã, os jornais, as estantes, os bares, as varandas sobre a planície. Nunca se devia chorar desta maneira a quem nunca se dirá adeus, adeus, adeus, mesmo que essa palavra exista, mesmo que essa palavra não exista lá, para onde vais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


14 comentários

Sem imagem de perfil

De Lídia Bulcão a 22.05.2008 às 01:08

Não há adeus para as pessoas eternas. E o Torcato era um desses raros seres com a capacidade de tocar na nosssa vida só com uma palavra, fosse ela escrita, falada ou gritada. A fúria da sua Natureza era também a força do seu coração. E não há adeus para pessoas assim. Não há adeus. Mas há saudade. Eterna. Tal como ele será sempre.
Sem imagem de perfil

De viriato teles a 22.05.2008 às 02:14

A vida é bera, mas a morte é pior, porque é traiçoeira. E só isso é que arranjou esta maneira de castigar o Torcato, porque o Torcato não desistia de viver.
É verdade, caro Francisco: nunca se devia chorar desta maneira.
Sem imagem de perfil

De Leopolda a 22.05.2008 às 11:56

Ah, não.
Sem imagem de perfil

De Vitor C a 22.05.2008 às 11:58

Gostei sempre de ler os artigos do Torcato, só falei uma vez com ele. Era um homem muito culto e sempre foi um homem livre.
Sem imagem de perfil

De Pedro a 22.05.2008 às 13:40

DEUS o Abençoe e lhe dê toda a Felicidadade, Amor e novas descobertas lá nas altas esferas e novas dimensões. Amen.
Sem imagem de perfil

De Snowmass a 22.05.2008 às 15:02

Até sempre.
Mais pobres, saudosos e siderados perante a sua dignidade, que nos abandona, envolve-nos o silêncio e o vazio de quem se afasta ...
Sem imagem de perfil

De Rui Branco a 22.05.2008 às 20:36

Vergonha pelo preço dos combustíveis

http://vergonha-combustiveis.blogspot.com

Este blog tem como objectivo mostrar a indignação pela proporção que os preços dos combustíveis estão a tomar para o consumidor comum. Surge pela falta de atitude do governo português perante esta situação. Sofremos todos os dias na carteira e no orçamento mensal das famílias portuguesas estes aumentos pouco claros.

http://vergonha-combustiveis.blogspot.com

Obrigado ao blog, e se possível associem-se a causa!
Sem imagem de perfil

De JL a 22.05.2008 às 22:20

Não conhecia o homem, conhecia o seu trabalho. Que descanse em paz sabendo que não deixará de ser exigente lá do outro lado como era deste.
Sem imagem de perfil

De Luís Miguel Queirós a 23.05.2008 às 03:09

Sei exactamente quando vi o Torcato pela primeira vez. Foi há quase vinte anos, no início do Público. Ele tinha vindo à redacção do jornal no Porto, que então funcionava na Rua Nª. Sra. de Fátima. O dia não é fácil de esquecer porque houve um incêndio no prédio. Não creio que a culpa tenha sido do Torcato, embora aquele ar de patriarca bíblico o tornasse um pouco suspeito de poder atrair catástrofes naturais. Não me lembro de nada do que conversámos, mas sei que ficámos amigos nesse dia.
É claro que, já antes de o conhecer, gostava dos textos que ele escrevia. E o que dele ia sabendo por terceiros também me levava a apreciá-lo por antecipação. Mas havia algo mais, e é desse algo mais – que implicava a sua presença física, o som da sua voz, uma certa expressão em que arregalava os olhos e figurava um espanto inocente – que valeria a pena deixar testemunho. Não há é palavras que o digam. Podia sugerir que ele era alguém tão imune à mediocridade e à mesquinhez que a sua mera presença se tornava salutar, como se limpasse o ar à sua volta. Mas não era bem isso, ou não era só isso.
Outros conheceram-no muito melhor. Eu só posso evocar algumas das poucas vezes em que o vi, e não me esqueci de nenhuma. A segunda foi a mais gloriosa. Ele viera de novo ao Porto, para uma reunião da secção de Cultura, e combinámos jantar num resturante magnífico, que me dispenso de designar porque o respectivo proprietário me deu uma vez a entender que preferia que não lhe publicitassem a casa. Como os então directores do Público no Porto ainda estavam a fechar o jornal, eu e um camarada da secção fomos indo à frente com o Torcato Sepúlveda. Estou a escrever-lhe o nome e ocorre-me que aquela imponente anatomia nunca poderia ter cabido num nome como, por exemplo, Armando Ferreira, ou Alberto Cardoso, sem desprimor para os que sofreram esses contratempos baptismais.
Para se entreter enquanto não chegavam os restantes convivas, o Torcato foi aviando dois pratinhos de tripas. Quando os outros apareceram, já íamos, também, na terceira garrafa de Quinta do Côtto, isto numa época em que a versão regular do dito era francamente potável. Não sei exactamente a que horas saímos do restaurante, depois da posta maronesa, do bacalhau assado na brasa, de mais sete Quintas do Côtto – o cômputo global de dez garrafas ainda era, vários anos volvidos, confirmado pelo dono do restaurante – e de um estimável bagacinho para ajudar à digestão. Lembro-me de que o Torcato tinha marcado para muito cedo o comboio de regresso a Lisboa, e que foi com alguma hesitação que acedeu a dar um salto a minha casa, antes de ir para o hotel.
A hesitação veio posteriormente a justificar-se, tendo em conta que perdeu o comboio. Às sete da manhã, e após ter colaborado sem relutância em esgotar as últimas garrafas que me sobravam de uma caixa de Caves S. João do abençoado ano de 1963, gentil oferta do meu sogro, estava debruçado da janela do quinto andar onde eu então morava a recitar poemas de Cesariny para as madrugadoras pombas da Ribeira. Ainda hoje me pergunto o que elas poderão ter pensado daquela desconcertante invectiva: “Despe-te de verdades/ das grandes primeiro que das pequenas”.
A penúltima vez que o vi foi já há alguns anos. Tocou-me à porta, aí pelas duas ou três da manhã, acompanhado de um irmão meu, e estivemos umas horas na conversa. Nessa altura, ele já não estava no Público. Se bem me lembro, mas posso estar enganado, saiu durante a episódica direcção de Nicolau Santos, a quem tinha criticado, nas próprias páginas do jornal, por este ter aceitado participar num lamentável programa de televisão chamado a “A Cadeira do Poder”. Uma das virtudes do Torcato era tê-los no sítio.
A última vez que o vi foi em Lisboa, não há muito tempo. Encontrei-o por acaso, no Largo da Misericórdia, numa pequena feira de livros. Estava com bom aspecto. Gostava mesmo muito de o voltar a ver.
Sem imagem de perfil

De casimiro amado a 23.05.2008 às 03:22

Deixo aqui a minha homenagem ao homem que não conheci. Desde há não sei quantos anos percebi que ele era "especial". Julgo que foi na Capital ou no Público, mas não sei exactamente onde foi que me habituei a querer ler o que escrevia. De vez em quando, perdia-o de vista e acabava por reencontrá-lo noutro lado, como há pouco sucedeu nas páginas da revista do DN ao Sábado. Não sei porquê, mas eu julgava que ele era sempre um "free lancer". Por algum motivo, convenci-me de que ele era um homem livre, de que ele não fazia parte de nenhum regimento. Talvez por isso se mudasse de um lado para o outro... Não sei como foi que comecei a apreciar o que escrevia; não sei quando foi que percebi que ele era um dos nossos poucos jornalistas "com assinatura". Com uma marca própria, a escrever nos jornais feitos para um dia como quem escreve para a eternidade. Parabéns Torcato! E Obrigado!

Comentar post


Pág. 1/2




Blog anterior

Aviz 2003>2005