Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por FJV, em 17.04.06
||| Brasil. Associação criminosa. [Actualizado]
Está dito pelo procurador-geral da República que essa gente não passa de organização criminosa. Está escrito, preto no branco (download do documento, na íntegra, aqui).
Artigo de Elio Gaspari no Globo de domingo:

«O relatório do procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, que denunciou os 40 integrantes da quadrilha-companheira que saqueou as arcas públicas, é uma peça que merece respeito. Todas as pessoas que já praguejaram contra as pizzas da Câmara dos Deputados e duvidaram do vigor das instituições nacionais devem tentar lê-lo. É um cartapácio de 52 mil palavras, equivale a três vezes e meia o tamanho do conto “O Alienista”, de Machado de Assis. Falta-lhe o estilo da história de Simão Bacamarte, mas não é daqueles textos em dialeto juridiquês. Chama o que foi núcleo duro de quadrilha e organização criminosa. Caixa dois, dívidas de campanha e outros eufemismos são designados pelo que foram: desvio de recursos públicos, concessões de benefícios indevidos a particulares em troca de dinheiro e compra de apoio político. Quem se ofendeu com o exibicionismo de alguns parlamentares nas CPIs deve a atenção da leitura aos servidores que agiram longe dos holofotes. Quem se considerou insultado pelas manobras-companheiras, pelos depoentes emudecidos e pelas mentiras deslavadas, vê a história contada como ela foi, com início, meio e (quase) fim. Faz bem ao cidadão. A quadrilha é mostrada nas suas características cinematográficas. […]
Foi esse tipo de trama que Nosso Guia [Lula] desprezou, dizendo que estava de saco cheio de denúncias. Afinal, segundo ele, o que o PT fez, do ponto de vista eleitoral, é o que é feito no Brasil sistematicamente. Lendo-se o relatório sente-se uma ponta de amargura quando se recorda que o presidente da República disse que neste país, “está para nascer alguém que venha querer discutir ética comigo”. A quadrilha montou um esquema de Ocean’s Eleven (sem Brad Pitt), mas estava mais para a turma do Assalto ao Trem Pagador (com Tião Medonho).»

Marcos Sá Corrêa: «
O procurador Antônio Fernando de Souza botou o país de pernas para baixo e cabeça para cima. [...] Nem o presidente Lula, que até a semana passada pisava nos rastros distraído, pode continuar a fazer de conta que não sabe o que aconteceu. Caixa dois de campanha uma ova. Tecnicamente, o que seu governo fez foi organizar uma quadrilha. Ela roubou e corrompeu para financiar “um projeto de poder”. O chefe da quadrilha era o ex-ministro José Dirceu, que até cair de podre no ano passado comandou o bando de um gabinete instalado no palácio do Planalto, a caverna de Lula. E o chefe do chefe era Lula, o “nosso guia”dos 40 ladrões, como entendeu, em cima do laço, o humorista Chico Caruso.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Carlos Lima a 18.04.2006 às 13:30

Já agora, Francisco, passe os olhos na VEJA, e leia a declarações de Joaquim Barbosa sobre o privilégio de foro dos políticos brasileiros. Algo que se quer instituir por cá.

Carlos Lima

o-bem-amado.blogspot.com

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005