Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por FJV, em 25.01.06
||| Leitores, 2.
O Quinto Galarza, comentando este post:
«Foi, aliás, o único discurso de Soares em toda esta caminhada que me prendeu do início ao fim. Fora assim desde o arranque e poderia ter feito muito mais e muito melhor... O Soares da derrota foi bem mais elegante, sóbrio, sério, respeitador - em suma, presidenciável - que o Soares da pré-campanha/campanha.»

Sobre a interrupção de Sócrates a Alegre, ver este post nos Galarzas («na sede de Manuel Alegre se sabia, também, que Sócrates ia entrar em directo "dali a cinco minutos"»).

Sérgio Letria, sobre a crítica a Jerónimo:
«Reaccionário quem? O Jerónimo? O Francisco, mesmo depois da vitória, tem um tom agreste que não lhe fica nada bem. E surpreende-se pelo súbito aparecimento do PSD? A ingenuidade anda por aí? Não espere que depois destas eleições, e só porque Cavaco ganhou, as críticas desapareçam e se ouça um coro de elogios ao novo presidente. A vitória é legítima. Sem dúvida. Mas o passado e o presente de Cavaco não podem ser esquecidos. O futuro o dirá.»
Carlos Azevedo, sobre o raciocínio das décimas:
«É uma questão de interpretação. Eu concordo parcialmente consigo: «pobre esquerda que se contenta com a pequena liga dos últimos». Mas, se o país mudou, não foi apenas pela vitória de Cavaco Silva. Cavaco Silva foi, de facto, o grande vencedor da noite. Contra factos não há argumentos. Mas há mais análises que se podem fazer, não lhe parece? Há exactamente 20 anos, a única candidatura independente, a de Maria de Lourdes Pintasilgo, conseguiu apenas 7,4% dos votos expressos. Agora, a candidatura de Manuel Alegre (na qual votei, apesar de considerar que Manuel Alegre não chega aos calcanhares de Pintasilgo), igualmente sem apoios partidários, conseguiu 20,7% dos votos. Ora, isto também significa alguma coisa, não lhe parece? Claro que o Francisco pode optar por desvalorizar quem perde, o que é perfeitamente legítimo, mas a verdade é que 49,4% das pessoas que votaram nestas eleições não escolheram o candidato vencedor. Perderam, claro: é uma regra da democracia. Mas não deixam de existir, nem têm que se remeter ao silêncio: é outra das regras da democracia.»
O Cidadão Profissional, também sobre as décimas:
«A distância entre Freitas do Amaral e Mário Soares na primeira volta foi muito diferente da que se verificou entre Cavaco e Alegre? Ganhou o Freitas? Compreendo a irritação de quem esperava votações da ordem dos 60%.Ainda bem que isso não aconteceu. Assim temos a pessoa certa na Presidência sem uma votação que poderia dar "ideias", não ao candidato, mas a apoiantes mais excitados.»
Sobre o texto do El Pais referido aqui, o comentário de Daniel Marques:
«Este artigo é um disparate. Limita-se a reproduzir lugares comuns baseados em instantaneos que sendo reais passam apenas uma pequena parte da realidade. Portugal tem muitos problemas: é pequeno e é periférico (*). Viver a crédito não é de certeza um deles. Cada pessoa (e o seu banco) sabe de si. E resignar-se a comer sopa e massa não é certamente o caminho. Principalmente porque muitos portugueses por muito tempo não tiveram outra escolha.
O discurso de Rui Martins não se arrisca a ser, é mesmo Salazarista. Só falta queixar-se que os pobres até já têm televisão.
(*) O Excesso de estado e o clientelismo não são mais do que a consequência destes dois problemas. Há uma grande dificuldade de acumulação de Capital que obriga a passar para o Estado muitas obrigações de financiamento. Quando há uma efectiva acumulação de capital por privados a unica hipotese de crescimento é secar a concorrência.»
E A. Garcia Barreto:
«O português deve ser o povo que mais mal diz de si próprio. (...) Precisamos de encontrar outros parceiros na vida (sem pôr de lado os de sempre), que nos despertem pela competitividade em vez de nos adormecerem pelo pasmo e pelo atraso de que eles próprios padecem (mesmo que tenhamos alguma culpa nesse aspecto). Precisamos de pensar "grande", como os povos do norte da Europa, sem hipotecar as nossas próprias qualidades. E não deixar que a inveja envenene as nossas acções.»

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Marco Mendes Velho a 25.01.2006 às 07:08

A acreditar na primeira pessoa do plural que infesta a "saga de todos nós" exponenciada em crónicas e comentários, a patologia que mina e rumina os humores de Portugal está por todos identificada, como estão também os sintomas, as causas e os custos. Se assim é, porque razão não saltam da cartilha médica de tão insígnes doutores dois dedos que sejam de soluções? Ou será que em tais eminências os dedos existem apenas para disparar?

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.