Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por FJV, em 16.10.05
||| Harold Bloom.













Por falar nisso, terminei a leitura de Onde Encontrar a Sabedoria, de Harold Bloom (tradução de Where Shall Wisdom Be Found?), publicado pela Objetiva. É um grande livro que ressuscitará as tradicionais críticas a Bloom pelos profissionais do ressentimento ou pelos optimistas da contemporaneidade. E a inveja de muitos académicos que raramente o leram. Neste caso, é um livro muito mais marcado pela consciência religiosa de um religioso secular. O homem religioso sente a euforia da sapiência ou da sabedoria («cristãos que crêem, muçulmanos que obedecem, judeus que confiam»), mas Bloom continua um secular, e a sua responsabilidade é diferente: «Os seculares assumem um outro tipo de responsabilidade, e a sua busca da literatura da sapiência é, por vezes, mais melancólica, ou angustiada, dependendo do seu temperamento.» É uma peregrinação, de resto, entre dualidades: entre o Livro de Job e o Ecclesiastes, entre Platão e Homero, entre Cervantes e Shakespeare, entre Freud e Proust, entre Montaigne e Bacon ou entre Johnson e Goethe, terminando com dois textos notáveis -- um sobre Santo Agostinho e outro sobre «Nemesis e Sabedoria»: «Não podemos encarná-la [à sabedoria] mas podemos aprender a conhecê-la, a despeito de ser ou não ser identificável com a Verdade que talvez nos liberte.»
Os que se irritaram com a torrente devastadora de Genius (e que se tinham sentido naturalmente excluídos de O Cânone Ocidental), não compreenderão o apelo presente neste Onde Encontrar a Sabedoria: o de uma busca do esplendor que não significa conforto nem tranquilidade, explicando que a sabedoria (ou a literatura sapiencial, termo mais de acordo com Bloom) não vive sem esse laço a prendê-lo ao esforço intelectual e à contenção que nos mostra os limites.

Curiosamente, logo a abrir, o programa particular de Bloom «reflecte a busca de um saber que possa aliviar e esclarecer os traumas do envelhecimento, da convalescença após doença grave, e do pesar causado pela perda de amigos queridos».

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De nils a 17.10.2005 às 13:21

Bloom levou-me a descobrir Flannery O'Connor e (vergonha!) até Iris Murdoch. Não consigo deixar de simpatizar com o homem que, ao exemplificar um génio vivo, insiste tanto (tantas vezes) no nosso Nobel da Literatura... Quando houver ordenado disponível vou passear na FNAC a ver se vejo a nova obra. Agradeço a informação!
Sem imagem de perfil

De Luis M. Jorge a 17.10.2005 às 11:46

Não sei se já leu muita coisa do Bloom. Houve uma altura em que li tudo dele, desde a "Angústia da Influência" ao "The Western Canon" e ao "Shakespeare", com muitos outros pelo meio. Hoje pergunto se não haverá alguma ingenuidade no seu misticismo literário. Concordo com as catilinárias contra a Escola do Ressentimento, que merece todo o sarcasmo. Mas rejeitei a sua tentação, demasiado humana, de procurar numa área de especialidade aquilo que ela não lhe pode dar. A literatura consola-nos da morte, mas não tem de explicá-la.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 16.10.2005 às 22:54

Magnífico post! Essa é a busca. R.Coias
Sem imagem de perfil

De UGAJU a 16.10.2005 às 16:14

Na minha insana ignorância, entendo a sabedoria como a capacidade de tomar decisões em consciência, i.e. com conhecimento (somatório de informação estruturada com histórico decisional) e bom-senso.
Fiquei com vontade de o ler.
Obrigado

P.S. Reli o que escrevi... perdoa-me!

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005