Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Byron.

por FJV, em 22.01.18

Há exatamente 210 anos, a armada portuguesa transportando a família real portuguesa, que fugia da ameaça francesa, chegava ao Brasil (primeiro a Salvador e, depois, ao Rio). Um ano e meio depois, a 7 de julho de 1809, George Gordon Byron, Lorde Byron, fazia escala em Lisboa aproveitando a presença militar inglesa; se na sua biografia a visita (uma quinzena, a caminho de Gibraltar) foi pouco importante, já a sua passagem por Sintra entra na nossa «mitologia dos famosos», salpicada por uma ou outra frase entusiástica («a mais bela do mundo», «glorioso Éden», etc.). Byron nasceu há 230 anos, assinalados hoje, e é uma das grandes figuras do romantismo europeu – o vértice, aliás, de todos os seus pecados e virtudes. A ideia do «herói byroniano», aventuroso e arrogante, destemido e belo (para mulheres e homens), uma estrela cuja popularidade extravasa o mundo das letras, rebelde e auto-destrutivo, está ligada à sua obra – e a uma vida que terminou na Grécia, combatendo no campo militar, longe da Inglaterra, que tratou com soberba. Para Byron, a vida estava sempre noutro lugar.

[Da coluna no CM]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.