Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Um mundo novo.

por FJV, em 17.11.17

Bons tempos – a frase soa a velharia, eu sei – em que um livro era um livro e tudo o que despertava das suas páginas. Veja-se o que se passou em Frankfurt, no anúncio do país convidado para a grande feira do livro de 2021, que calha ser Espanha. Uma imensa galeria de autores passou pela minha cabeça, de Cervantes a Javier Marías, passando por Clarín ou Ballester, Montalbán ou Unamuno, Galdós ou Campoamor, Alberti ou Gimferrer, Quevedo ou Machado, Mendoza ou Marsé, Lorca ou Vila-Matas. Imaginei-me a passar pelos vários quilómetros de livros dos pavilhões de Frankfurt a deliciar-me com as belas edições espanholas, a vitalidade da sua ficção, mesmo os campeões de vendas (como Reverte) – e a tomar um xerez ou um ‘viño de Ribeiro’, parlapiando aqui e ali com um editor ou um autor. Mas o ministro da cultura espanhol chamou-me à realidade, segundo o que leio na imprensa. Eles não vão apresentar “apenas livros” mas também “a indústria criativa”, “videojogos”, gastronomia e “direitos mediáticos”, cinema e provavelmente apps para o uso de especiarias andaluzas. Admirável mundo novo. 

[Da coluna no CM]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.