Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Joseph Roth, 120 anos.

por FJV, em 02.09.14

Joseph Roth merece mais atenção do que mantê-lo na galeria das curiosidades da velha ‘Mittleuropa’, o mapa que a I e a II Guerra pulverizaram. Talvez por isso, os seus livros passam quase ignorados nas livrarias: A Lenda do Santo Bebedor, O Leviatã (ambos na Assírio & Alvim), A Marcha de Radetzky (Difel),  (Ulisseia) e um magnífico Judeus Errantes (Sistema Solar). Em toda a sua obra há essa nostalgia mal compreendida pelo fim do império austro-húngaro, que devia ser um território de civilização e, de forma inexplicável, gerou – com a guerra e os nacionalismos – ingratidão e fragilidade. Relendo os seus livros percebe-se a pulsão de tragédia que marca o fim de uma Europa povoada de talentos e de sonhos. Roth, judeu, ucraniano que encontrou a pátria nessa Viena luminosa, morreu em Paris na véspera da II Guerra, em 1939, alcoólico e deprimido. Nasceu há exatamente 120 anos, cumpridos hoje.

[Da coluna do Correio da Manhã]

 

Ver aqui o tributo de Pedro CorreiaA Marcha de Radetzky na sua excelnet série sobre grandes romances.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds