Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Procissão de doidos.

por FJV, em 01.09.14

A palermice em que anda a discussão em torno do Acordo Ortográfico exige que se tomem decisões rápidas. A mais recente proposta veio do congresso dos deputados, no Brasil, onde umas luminárias decidiram propor o fim de toda e qualquer filiação etimológica, retirando ‘h’ não pronunciados e transformando a ortografia numa dependência aleatória e analfabeta da fonética – resultados da “linguística estrutural oral” dos anos setenta e do populismo “anti-elitista” que afoga o sistema escolar brasileiro. Esta procissão de doidos, libertados para a arena sem qualquer atestado de sanidade, ameaça tornar irrelevante todo e qualquer respeito pelos dicionários, pela gramática, pela lógica, pelo bom senso – e, finalmente, por uma língua milenar. Com o Brasil e Portugal a viverem em festa e depressão eleitoral, o cenário é pouco propício a tomarem-se decisões ponderadas. Mas pelo menos que se amordacem os patetas.

[Da coluna do Correio da Manhã]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um momento triste.

por FJV, em 01.09.14

As coisas estão a ficar ainda mais difíceis. Nós, rapazes, atravessámos a adolescência com um objetivo claro – descobrir onde ficava o Ponto G; o que significava uma pesquisa rodeada de solenidade, malícia, companheirismo e até (não riam) uma certa delicadeza. Detetar a proximidade desse lugar invisível garantia um prémio cheio de promessas, além de benefícios para a nossa, digamos, vida social futura. As feministas mencionavam o oásis descoberto por Ernst Gräfenberg (1881-1957), o pai do Ponto G, como uma “vantagem competitiva” imbatível para as mulheres. Nós compreendíamos: era ali (não interessava onde, não éramos agrimensores) que começava o vulcão. Uma notícia do CM alerta-nos agora para uma investigação recente segundo a qual o Ponto G não existe e que a “área” é mais abrangente. Claro que é, sempre o soubemos. Mas para quê destruir anos e anos de perseverança? O fim de um mito é uma coisa triste.

 

[Da coluna do Correio da Manhã]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Naturalmente bons.

por FJV, em 01.09.14

Algumas boas almas descobriram, com justificada mágoa, que há cidadãos educados no ocidente mas disponíveis para as maiores barbáries – entre elas degolar jornalistas, gozar as maravilhas de um estado islâmico terrorista, desprezar a dignidade das mulheres ou despedaçar quem não acredita num deus cruel e interpretado por califas barbudos. As explicações abundam mas não escondem o essencial: a barbárie está dentro de portas, escapando ao paraíso da escola pública, do Estado social, da liberdade política e do sentimento de culpa ocidental. O ocidente, que desde o século XVIII acredita que os homens são “naturalmente bons” (a “sociedade” é que os estraga), transporta agora um fardo desse tamanho – e é um alvo fácil para desequilibrados e desiludidos. As imagens do tresloucado que degolou James Foley (como as dos prisioneiros ucranianos acorrentados a desfilar em Donetsk) estão a um passo de uma demência que autorizámos. Há uns meses, uma colunista do Guardian manifestava as suas dúvidas multiculturais sobre o caso Boko Haram, não estivéssemos a demonizar «todo um continente».

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds