Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hammett

por FJV, em 26.05.14

Lembram-se de O Falcão de Malta, ou Relíquia Macabra, o filme de John Huston com Humphrey Bogart e Mary Astor? Antes disso era um livro – o berço de Sam Spade, o detective criado por Dashiell Hammett nesse livro de 1930 (o filme é de 1941) e que depois apareceu em vários contos de Hammett, de quem amanhã se assinalam os 120 anos do seu nascimento. Wim Wenders fez um filme em sua homenagem (Hammett, de 1982, a partir do livro de Joe Gores): é o retrato do “escritor perdido”, doseando literatura e política, apaixonado (por Lilian Hellmann), contraditório, ex-detective da Agência Pinkerton, consumido pelo álcool e pela América. A literatura policial não seria a mesma sem ele – A Chave de Vidro, A Maldição dos Dain ou Colheita Vermelha e O Homem Sombra estão traduzidos (sem falar das histórias do Agente Secreto X-9). Mas Falcão de Malta é uma obra-prima impossível de esquecer, o anúncio do policial moderno e marcado pelo medo.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os franceses

por FJV, em 26.05.14

Será da Europa? Será dos franceses? Será da França? Claro que não, até porque não há uma coisa como “os franceses” – mas tenho o direito de duvidar; o chauvinismo, o “populismo dos comerciantes e funcionários” e o poujadismo estão lá. Tal como a tentação da capitulação, da velha Action Française e do revisionismo histórico, com a sua mistura de arrogância nacionalista, anti-semitismo minucioso e comprovado, e racismo beligerante. Desta vez, Jean-Marie Le Pen foi escutado a dizer que o vírus ébola resolveria os problemas da imigração em três meses. Ele tem razão, caramba – basta ler ‘A Peste’, de Albert Camus (Nobel francês nascido na Argélia, já agora, um ‘pied-noir’): o vírus desperta de tempos a tempos, guardado de geração em geração, administrado com cautelas. Nada a fazer. Na França, estes demónios despertam com inigualável qualidade, certa pompa e aquele ar de velhacaria cheia de advérbios e honras passadas, contra os polacos, os judeus, os americanos, os portugueses, os pretos, os chineses, seja quem for. Tudo menos os franceses, claro.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Meteorologia.

por FJV, em 26.05.14

Um dos meus sonhos era o de escrever uma coluna diária sobre meteorologia, a evolução das estações do ano, o estado do tempo, como Joe Shute, no Daily Telegraph. Há dias ele comentava o que tinha observado no País de Gales: “campos de ouro” estendidos até ao mar – prímulas, calêndulas, margaridas, dentes-de-leão, goivos do mar, hipericão. O esplendor de maio, portanto. O que este termóstato favorece: passeios, namoros, piqueniques e neblinas matinais no Atlântico. Previsão para os próximos dias: marés suaves, poemas de Ruy Belo, descida de temperatura agradável e acrescentar terra aos vasos das varandas. A primeira exposição ao sol multiplica o tom rosado em rostos pálidos, faz apetecer grelhados e caminhadas a norte do Cabo da Roca. A meteorologia é o pórtico da harmonia das coisas, juntamente com a floração dos hibiscos, das magnólias e dos bolbos mais tardios. Simples como as coisas simples.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds