Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Por causa disso, três poemas.

por FJV, em 07.07.13

 

 

Na juventude, eu não sabia

Qual era o sabor da melancolia.

Gostava de subir aos altos pavilhões

E fazer versos muito melancólicos.

Porém, agora, tendo-lhe conhecido

O gosto, já não quero

Falar mais dela. Digo apenas:

«Um dia fresco, que belo Outono.»

 

Xin Qiji (1140-1207)

[Versão de Gil de Carvalho]

 

 

 

 

A oeste do pavilhão da Ponte Amarela,

despedimo-nos, velho amigo.

Entre as flores e a bruma de março,

desces rumo à aldeia de Yang.

A vaga silhueta de tua solitária vela

desaparece no espaço esmeralda,

e só resta o Grande Rio
a correr para os confins do céu.

 

Li Bai (701-762)

[Versão de Sérgio Capparelli e Sun Yuqi]

 

 

 

 

A Lua de Outono, em quarto crescente,

brilha sobre a montanha Emei,
sua claridade pálida cai
e corre com as águas do rio Ping.
Deixo Qingsi, esta noite,
rumo às Três Gargantas do Grande Rio.
Passo diante de Yuzhou e penso em vós,
não fui capaz de vos dizer adeus.

 

Li Bai (701-762)

[Versão de António Graça Abreu]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Educação sentimental. 2

por FJV, em 07.07.13

A minha filha lê inglês como eu nunca lerei; para um aparelho que não sei manejar, descarregou duzentos livros e em Português estão apenas dez, ou nem isso. Creio, aliás, que pensa em inglês. Tento convencê-la a estudar mandarim com o pretexto, oculto, de ir com ela às aulas e ter companhia para aprender a ler alguns versos de Li Bai daqui a cinquenta anos. Na China já me desmobilizaram: só radicais são 220 caracteres; a coisa vai ao milhão pelas minhas contas.  Na semana passada perguntou-me o que eu achava de ler 2666, de Roberto Bolaño. Exultate! Claro que sim. Imprescindível. Vi, pelos seus olhos, que desistiu naquele segundo. Lancei a armadilha: podes é ler Os Maias, mas acho que não é para a tua idade. Hum. Ai sim? Às escondidas, corri a ver se existe uma versão inglesa em e-book.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Estado do Egipto. Realpolitik.

por FJV, em 07.07.13

Adli Mansur, o novo presidente do Egito, jurou defender “o sistema republicano”. A expressão pode parecer inócua, mas está na base da tentativa de os militares evitarem o caminho para um regime religioso e islâmico no país, destino para onde o presidente agora deposto tinha indicado a direção. Alaa Al-Aswany, um escritor muçulmano (autor de O Estado do Egito e Chicago), esforçou-se por provar que havia uma ponte entre um regime de inspiração religiosa e uma forma qualquer de democracia – ele apoiou a Irmandade Muçulmana e proibiu que os seus livros fossem traduzidos para o hebraico; não sei o que Naguib Mahfouz (1911-2006), prémio Nobel da literatura em 1988, pensaria sobre o assunto, ele que foi perseguido pelos Irmãos Muçulmanos e vítima de vários atentados por motivos religiosos, mas acho que ficaria mais tranquilo depois do golpe militar. Coisas não tão estranhas que acontecem no mundo.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds