Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Empresários.

por FJV, em 08.05.13

Hoje, no Público, a notícia de que só 20% das empresas portuguesas (as PME...) geraram emprego nos últimos cinco anos. Um amigo enviou SMS: são as empresas que o Estado não ajudou a pagar salários, encontrar clientes, procurar novos negócios, voltar a pagar salários. Poucos dos senhores deputados que clamam por crescimento, crescimento, crescimento ou emprego, emprego, emprego, jamais teve o encargo de pagar salários. Anda se fossem obras públicas, para fazer negócios e assumir o papel de «facilitador»...

Autoria e outros dados (tags, etc)

El Calafate, Argentina.

por FJV, em 08.05.13

  

 

El Calafate, Argentina. Apesar da beleza natural, do glaciar de Perito Moreno, dos passeios pelas florestas ou no deserto, recomendo a leitura desta peça de Josefina Licitra (vários prémios de jornalismo, artigos publicados na Rolling Stone, vários livros, presente na revista colombiana El Malpensante, etc.): é ali que fica o segredo do regime de corrupção dos Kirchner. Agora que (apesar da sua tentiva de calar a imprensa) foram publicados novos documentos sobre a forma como Cristina Kirchner maneja o seu dinheiro (e até como o recebia dos guarda-costas de Hugo Chávez), o artigo publicado na edição de Abril da Piauí ganha ainda mais actualidade. No fundo, é do regime dos Kirchner que o Dr. Soares gosta muito. Devemos estar atentos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A morte lenta do chavismo.

por FJV, em 08.05.13

Artigo de Mario Vargas Llosa, «La Muerte Lenta del Chavismo» (no El Pais deste último domingo).

Versão no Estado de S. Paulo.

 


O presidente do Congresso iniciou a sessão retirando o direito dos parlamentares de oposição de se manifestar sobre a fraude eleitoral e ordenou que seus microfones fossem desligados. Quando os deputados protestaram, levantando uma faixa que denunciava um “golpe contra o Parlamento”, membros oficialistas e seus guarda-costas lançaram-se contra eles com socos e pontapés que deixaram alguns deputados, como Julio Borges e María Corina Machado, com lesões e edemas. Para evitar provas da arbitrariedade, as câmaras da TV oficial foram direcionadas oportunamente para o teto da assembleia. Mas os celulares de muitos participantes filmaram o ocorrido e o mundo inteiro tomou conhecimento da selvageria cometida, assim como das gargalhadas de Diosdado Cabello [presidente do Congresso] com o fato de María Corina Machado ser arrastada pelos cabelos e espancada pelos valentes revolucionários chavistas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O mundo avança.

por FJV, em 08.05.13

Felizmente que o mundo tem pessoas com juízo. Sobretudo na Suécia, onde o Vänsterpartiet (Partido de Esquerda) apresentou anteontem, no Parlamento, uma proposta para que os homens passem a urinar sentados. Não pensem os leitores e leitoras que se trata apenas de uma medida de orientação médica, destinada a evitar problemas na próstata, ou de pura higiene (sim, os homens são descuidados). Há outra razão: questões “de género”. As casas de banho deverão passar a ser unissexo para prevenir a discriminação sexual em que naturalmente assenta o facto de haver pessoas que fazem xixi sentadas – e outras de pé. Isto implica toda uma engenharia de natureza pedagógica, e as famílias devem, desde o início, insistir para que os rapazes se sentem para cumprir a inóspita obrigação. Quem não aceitar a eventual lei, terá de procurar uma casa de banho devidamente identificada para cavernícolas. O mundo avança. 

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Kierkegaard.

por FJV, em 08.05.13

Um dos seus livros, O Conceito de Angústia (havia uma edição na Editorial Presença), marcou o modo como toda a sua obra foi recebida no ocidente e, especialmente, em Portugal, onde o nome do dinamarquês Søren Kierkegaard, cujo bicentenário se assinalou no domingo, era frequentemente associado aos “estados depressivos” (um pouco como Camus, como se dizia no antigo liceu) e à profundidade da melancolia. Provavelmente, não poderia ser de outra forma, tanto simplificamos o que é complexo e difícil de entender. Formado em teologia e filosofia, a religião nunca deixou de ser o centro da sua obra, tal como a busca de liberdade em relação à influência religiosa (daí que a angústia possa ser vista, sobretudo, como a vertigem diante da liberdade). É enorme a influência de Kierkegaard no existencialismo, a corrente dominante na filosofia moral do século XX. Duzentos anos depois, continuamos a comentá-lo e a interpretá-lo.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds