Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Macarapana.

por FJV, em 07.04.13

Maduro já ergueu uma capela das aparições.

 

Depois de Chávez lhe ter aparecido sob a forma de um passarinho (o pajarito chiquitito começou a piar e lembrou-lhes: «Hoje arranca a batalha...»), Maduro lança maldição índia, a de Macarapana, sobre quem não votar nele. Entretanto, a Globovisión passará para mãos chavistas, enquanto os cinco canais públicos transmitem 24 horas de propaganda do PSUV – o dr. Soares deve achar bem, porque foi dos primeiros a apoiar o encerramento de estações de tv e rádio, por serem «impertinentes» para com o caudillo. Nunca se devem esquecer estas coisas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Muddy Waters.

por FJV, em 07.04.13

Não se assinalou, como devia, o centenário do nascimento de Muddy Waters (1913-1983). A data não pode passar sem comoção – Muddy Waters não foi apenas «um cantor de blues»; foi um génio dos blues, do jazz e do rock’n roll, uma voz tremenda, um trovão dos blues, uma torrente devastadora que nunca se esquece. Quem possui essa raridade, At Newport 1960, os três paradoxais discos de 1969 (After the Rain, Fathers and Sons e Sail On) e o disco que assinala o seu regresso em 1977 (Hard Again), não compreende como Muddy Waters pode ser esquecido. As suas influências alastraram a todo o rock posterior à longínqua chegada a Chicago, vindo do Mississípi e das plantações. Por vezes, a sua voz transporta esse tormento que ecoa como uma ameaça de apocalipse sobre todas as almas; de outras vezes, a sua guitarra sobrepõe-se à respiração e transforma-se numa arma letal. Ele era os blues.

[Da coluna do Correio da Manhã]

 

 


Autoria e outros dados (tags, etc)

Agora, extraterrestres.

por FJV, em 07.04.13

A frase vem no CM de ontem e merece ser citada: “Já tentei escrever só sobre humanos, mas fiquei muito aborrecida.” Foi dita na televisão americana ABC por Stephenie Meyer, a criadora da série Twilight, onde os heróis são vampiros e lobisomens (com a pequena contribuição de uma humana demasiado triste) num mundo irreal, belíssimo e que o derradeiro filme transformou num pastelão. Mas a inquietação está lá, em todos os livros de Meyer, que agora decidiu passar a escolher extraterrestres como protagonistas de uma nova saga, Nómada. Daí a pergunta: e escrever sobre humanos? Meyer, que é uma mulher bonita (e rica – o novo livro vendeu 3 milhões nos EUA), acha-os aborrecidos. Tem alguma razão. Podíamos argumentar e relembrar a capacidade de o género humano para nos surpreender, maravilhar e desiludir; não vale a pena. Cansados de nós, olhamos para lá da penumbra. E é isso que queremos.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

By heart.

por FJV, em 07.04.13

Seamus Heaney, um poeta maravilhoso, um dos irlandeses distinguidos com o prémio Nobel da Literatura (os outros são Yeats, Bernard Shaw e Beckett), acha que há vantagens consideráveis em decorar poesia na escola. Decorar – leram bem – vem de «do coração», by heart. Houve algumas reações contra Seamus Heaney, sobretudo contra a ideia de «forçar as crianças a aprender poesia de cor». Eu aprendi (Cesário, Pessoa, Camões, Bocage, O’Neill, e até Augusto Gil ou Guerra Junqueiro, entre outros) e não me fez mal nem deixou a marca de nenhum trauma. Seamus Heaney defende a introdução da memorização de poesia (em voz alta) no currículo da escola primária; mais tarde, com a idade adulta, será uma bênção, sem dúvida – e um fragmento de beleza que se transporta para todo o lado. Em tempos difíceis, a poesia traz um pouco de conforto e nenhuma poesia fica mais pobre por isso.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Curiosidade.

por FJV, em 07.04.13

Pode haver várias e subtis explicações para estes dados – mas convém retê-los: Portugal efetuou 1044 pedidos de dados ao Google sobre contas de utilizadores. Acima de nós só os EUA; abaixo, em termos percentuais, Hong Kong, Singapura, França, Inglaterra, Austrália, Itália, Alemanha, Brasil e Índia. O que quer isto dizer? Que as autoridades judiciais portuguesas gostariam de saber muito mais do que podem sobre os utilizadores da net, uma vez que a Google acedeu prestar informações apenas em cerca de 30 por cento dos pedidos. No entanto, mais assustadores são os dados relativos à Europa: é o continente que viu mais pedidos rejeitados pela Google, o que significa que é o continente onde o Estado quer saber mais sobre matérias que a empresa considera que dizem respeito apenas aos seus utilizadores e não ao Estado ou ao seu braço judicial. Sabemos todos o que isso significa, não é verdade? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um país em partes.

por FJV, em 07.04.13

Do discurso do primeiro-ministro há uma passagem enigmática, quando anuncia que vai pedir cortes nas despesas de funcionamento dos ministérios. Salvo erro, trata-se de uma possibilidade, sim – mas remota. E mínima. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A natureza e a falência da democracia

por FJV, em 07.04.13

Ontem, numa entrevista à Antena Um, Daniel Innerarity mencionou a estranha contradição em que vive a Europa, sobretudo aquela que separa os que têm competência ou instrumentos para atuar na «crise europeia» – mas não têm legitimidade para o fazer – daqueles que têm inteira legitimidade democrática para atuar – mas não estão preparados para o fazer. A questão da legitimidade está na base da próprio funcionamento desta União Europeia. Lembram-se de quando nos diziam que os cidadãos, ai deles, não tinham legitimidade para referendar os tratados, porque estes eram “muito complexos”? Lembram-se de os iluminados cérebros da Comissão Europeia terem criticado abertamente os eleitores dinamarqueses ou irlandeses por não terem votado num certo sentido? O que acontece em Itália também coincide com esta esquizofrenia: independentemente do voto recente dos italianos, vai formar governo quem for escolhido pelo presidente em conjugação com a bênção de Bruxelas e dos seus interesses conexos. Os europeus ainda não se deram conta de que a legitimidade para escolher as nossas vidas, hoje em dia, diminuiu drasticamente. A discussão sobre a natureza e a falência da democracia contemporânea não pode ignorar os anos recentes da UE.

 

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds