Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ravel.

por FJV, em 28.12.12

O combate de Maurice Ravel (1875-1937) não era com a tradição (que considerava uma «bengala» dos imbecis) mas com um mundo que não sabia lidar com a melancolia. Toda a sua música a celebra no meio da euforia que acompanha o novo século, como estava previsto em Debussy, Satie ou Saint-Saëns. O comum dos mortais acompanha, tamborilando, a evolução do Bolero – mas desconhece a subtileza de uma obra que andou de mãos dadas com a literatura: melodias que respiram a água da chuva, procura de uma pureza impossível em acordes que existem em Pavana para uma Princesa Defunta, Daphne e Chloé ou nas suas valsas sentimentais. À nossa vida falta música – uma certa beleza que só ela transporta. Hoje, nos 75 anos da morte de Ravel, devíamos ouvi-la.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Pavane pour une Infante defunte. 
Seiji Ozawa, Boston Symphony Orchestra

Pavane pour une Infante defunte. 

Sviatoslav Richter


Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds