Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Havemos de ir a Viana.

por FJV, em 19.03.11

Ontem à noite, na Sala António Manuel Couto Viana

da Biblioteca Municipal de Viana do Castelo.

Lançamento de Um Promontório em Moledo, de António Sousa Homem.

 

 

«A minha sobrinha Maria Luísa, educada com muita literatura (boa parte, da minha biblioteca), vai no segundo divórcio mas, felizmente, não chegou ao terceiro casamento. Tenho uma secreta admiração pela sua biografia amorosa. Os Homem, apesar de tudo, deixaram um rasto de amoralidade nos arquivos: um tio dos Arcos raptou uma noiva à porta da igreja para casar com ela em Espanha; o Tio Alberto, que foi o maior bibliófilo do Minho e que cozinhou para Camilo José Cela, enamorou-se por uma princesa do Cáspio; o velho Doutor Homem, meu pai, com o pretexto de visitar o dr. Cunha Leal, exilado na Corunha no tempo de Salazar, ia comer ostras a Ribadeo e visitar os botequins de Vigo; e o Tio Alfredo Augusto, que regressou do Pernambuco no final dos anos sessenta, suspirava com saudades das plantações de açúcar. Ao ler estas crónicas, a família suspeita de que alberga um sátiro sem vergonha. Só a minha sobrinha Maria Luísa, que vota à esquerda, acha graça às aventuras de um bando de desmiolados que venerou o senhor Dom Miguel.»

 

«Não é todos os dias que um Homem abandona a sua província para se aventurar nos caminhos da Pátria. Desde 1985, quando me fixei em Moledo, que raras vezes tenho abandonado o perímetro do meu Minho. Ao contrário do Tio Alberto, que se enamorou várias e repetidas vezes de senhoras estrangeiras, e que por isso conhecia os melhores hotéis de Madrid, a cor do lago de Genebra, os sabores de Paris ou o odor do Mar Cáspio, eu segui o destino dos velhos Homem de antanho, que só conheciam ou o caminho para casa ou o mapa das deambulações do senhor Dom Miguel. Quis o destino que este Matusalém minhoto tivesse de esperar pelos oitenta anos para revelar a baixeza da vaidade e da pequena luxúria. Refiro-me à escrita. Deixei, enfim, de ter vergonha. É um pecado como qualquer outro, mas não se pode fazer nada contra o pormenor.»

 

«O velho Doutor Homem, meu pai, achava que as novas gerações estavam ameaçadas pela má literatura, pela eternidade e pela abundância. A abundância tornava-as menos humildes, a eternidade prolongava-lhes a preguiça e a má literatura impedia-as de reconhecerem a beleza, se a vissem. Ainda hoje não sei onde um advogado quase anónimo, especialista em direito bancário, foi buscar essa trilogia, mas reconheço-lhe alguma fiabilidade.»

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds