Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O cantinho do hooligan. 73 minutos.

por FJV, em 29.09.10

Jorge Jesus diz que o Benfica foi superior ao Schalke-04 até aos 73 minutos. Azar: só os 17 minutos finais é que contavam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ora aí está.

por FJV, em 29.09.10

Evidentemente que estas medidas se tornaram necessárias, mas não são as melhores, nem são as mais indicadas. Politicamente, este primeiro-ministro, este ministro das Finanças e este governo são os mesmos que sempre negaram a sua necessidade e que adoptaram outras em sentido contrário (das SCUTS à subida de impostos, do aumento dos salários da função pública à manipulação dos números do desemprego e do crescimento). Encostada à parede desde os idos de Maio (quando o primeiro-ministro foi pessoalmente – e duramente, na fronteira da humilhação – confrontado em Bruxelas com o descalabro das contas e com a necessidade de mudar o rumo), esta gente trabalhou apenas no sentido de manter o poder, de preparar a temporada política e de verificar a inevitabilidade deste pacote, mas negando-o sempre, mentindo sempre que pôde a propósito do défice e do orçamento, balbuciando sobre o Estado social, as obras (pois que todas seriam lucrativas, como asseguravam as suas trombetas) e o investimento públicos. Quem não os conheça que os compre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Comecemos por aí: nem pudor, nem decência, nem tento na língua. A história de uma geração que pensa que tudo o que está no país pertence ao Estado – e que tudo o que depende do Estado deles depende.

por FJV, em 29.09.10

 

«O povo tem que sofrer as crises como o Governo as sofre.»

António de Almeida Santos

Presidente do Partido Socialista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O cantinho do hooligan. Apoio incondicional.

por FJV, em 29.09.10

Na sequência da comunicação do Sporting sobre o dress code de Alvalade, eis como seria descrita uma tarde de domingo naquele sumptuoso estádio:

 

Sua Excelência, adornado nas vestes presidenciais, voltou-se então para o Duque, que ostentava na lapela a Comenda da Conceição: «Reparou, senhor duque, naquela bela passagem que o Sr. Carriço efectuou na direcção do Sr. Saleiro?» «Brilhante, Sr. Presidente, lembrou-me uma jogada idêntica do Sr. Hilário, em Junho de 1972. Não houve outra igual.» Só então repararam, ao mesmo tempo, que o Sr. Visconde da Graça estava sentado atrás deles, brilhando como uma camélia escarlate na tribuna, de casaca e crachat, grã-cruz sobre o colete branco, de binóculo a tiracolo, tremeluzindo de casimiras e tules. Toda a tribuna, aliás, resplandecia. Sua Excelência, que tinha recebido no telefone móvel (que logo escondera, envergonhado) uma chamada do Sr. Costinha, notara, mais abaixo, a presença da Sra. Viscondessa de Melo, nédia e branca, com o corpete negro reluzente de vidrilhos, de costas voltadas para o relvado, esperando que a primeira parte do jogo terminasse naquele empate de sportsmen educados, contra a equipa da Figueira da Foz, a Naval. O presidente da Naval aceitara as normas de vestuário do Sporting, e estava sentado, recostado na poltrona, de grande chapéu panamá, calça listrada de cheviote, o mantelete da filha no braço, o guarda-sol entre os joelhos, embora revelasse o jaquetão de veludo coçado nas entretelas. O Dr. Rogério Alves, de casaca e colete branco, limpando um resto de espuma do bock, bateu com a mão na coxa, queixando-se de um fora-de-jogo mal assinalado pelo Sr. Olegário Benquerença: «Irra!» E até o Dr. Dias Ferreira, de de grande colarinho à francesa, sobre uma jaqueta de botões amarelos, ameaçava requerimentos, contra-ordenações, queixas, o diabo, contra «esta terra de vagabundos». O Sr. Olegário Benquerença, no relvado, luzidio de suor e enfiado na sua fardeta azul de botões da regra, apitava enfim para o intervalo. O Sr. Conde de Tomar, arfando, protestava, mostrando um botão de rosa no peito da sobrecasaca muito justa e batendo no chão atapetado de Arraiolos com os seus sapatos de verniz que resplandeciam sobre as polainas de linho. O Sporting prometia. Foi quando um criado, de libré e calça listrada de vermelhos, enfiado num enorme colete branco, reteso de goma, anunciou que estavam servidos os canapés. Ouviu-se então um rumor de saias amarrotadas, senhoras que se levantavam para beber o seu capilé, as suas groselhas, enquanto – de olhar lânguido, mas severo, preocupado – Sua Excelência, com o paletó todo abotoado, com a gola engomada, quase escondendo a gravata verde, murmurava ao telefone para o Sr. Costinha: «Ah, meu preclaro director, imagine que eu vi por aqui um cavalheiro de paletó sem jaqueta por baixo, com a calça repuxada a deixar ver as peúgas. Que vergonha, que vergonha. Queira proceder. Mande a guarda, mande a guarda!»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Onde começa?

por FJV, em 29.09.10

O reaccionário está de volta. Eu. Associo-me ao redesenho da pátria apresentado pelo Filipe N.V., e em breve evocarei o embarque do Principe, em Sines, a caminho de Génova e do exílio. Mas notícias como esta são «interessantes»: a CP já não encomenda mais comboios novos e arranjou maneira de avariar o concurso internacional. O PEC e o Ministério das Finanças encarragaram-se do assunto. A aquisição de «novo material circulante» é uma inevitabilidade, mas recomendo aos senhores leitores que apreciem o modo como parte dele é deixado ao abandono, de portas e (alguns) janelas escancaradas nos arrabaldes das grandes estações. Carruagens que não são lavadas, nem por dentro nem por fora; casas de banho que não são desinfectadas nos prazos regulamentares; pó, lixo e óleo acumulados e nunca removidos das composições — o que fazer senão comprar «novo material circulante»? Volto aos países nórdicos (não me venham com estatísticas...): carruagens de outrora continuam com o aquecimento a funcionar ao fim de dezenas de anos, assentos cómodos continuam a oferecer os seus préstimos, carruagens são vistas a receber mangueiradas estrepitosas nos terminais, viajantes pouco cientes são repreendidos em tempo, etc. O que se passa connosco? O país suja os nossos comboios, ou os nossos comboios estão sujos porque não são limpos e a pátria acrescenta-lhes mais lixo em função do desleixo? Às vezes penso que não me importava de oferecer um limpa-vidros, uma esponja, coisas práticas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Confere.

por FJV, em 29.09.10

Bilhetes falsos para o concerto de uma banda que outrora foi conhecida como U2. Confere.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds