Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Uruguay.

por FJV, em 02.07.10

Sim, eu também gostava que o Gana seguisse em frente; mas também gostava que o Uruguai fosse às meias-finais. Gosto de Oscar Tabarez; tem a figura típica do uruguaio como eu o conheço (aliás, tem o rosto do uruguaio mais uruguaio que conheço, o meu amigo Mario Delgado Aparaín). Só um uruguaio do mundo podia dizer, no final do jogo, com aquele sorriso fatal, ao canto da boca (desculpem-me os argentinos, mas é o sorriso fatal, ao canto da boca, próprio de quem aprendeu a ouvir tango e a fingir que não está a ser irónico), «no jugamos bien pero parece que hay algo que nos está empujando, no se que será, debe ser la fuerza de estos muchachos». Ou que promete: «Viene Holanda y, aunque parezca raro, le queremos ganar.» Ou que não se atribui grande importância: «Pusimos lo que hay que poner y eso nos tiene muy satisfechos.» Ou que se refere ao próximo adversário com uma grandeza de guerreiro: «Si digo que es un rival difícil me quedo corto.» Aprendam. Há coisas que têm de se aprender.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O cone sul.

por FJV, em 02.07.10

[Dedicado aos meus amigos brasileiros com quem falo de futebol, Eduardo C., Arthur D., Lourenço M., Manuel C. P., Wilson F. G., Sérgio A., Marcelo F.]


Queridos amigos: qual é a sensação de ver o Uruguai já para lá da meta, e o Paraguai e a Argentina (ah, a Argentina) quase a dar o salto? Estranho, muito estranho. Às vezes penso que Ijuí, a terra de Paulo Bonamigo (treinou o Botafogo, o Palmeiras, o Marítimo — daqui — ou o Atlético Mineiro) fica só a uns quilómetros de distância de Passo Fundo, a terra de Scolari (e do excêntrico Teixeirinha). Foi aí, em Ijuí, que nasceu Dunga, que não é a coisa mais chata do mundo porque, além disso, tem o futebol de Dunga, essa sim, mais chata ainda. Não sei quem quis repetir a receita do futebol gaúchês, mas há coisas que precisam de um maestro à altura e de intérpretes afinados. O dunguismo acabou. Agora, voltando ao princípio: digam-me lá o que acham da vossa vizinhança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Paulo Nozolino.

por FJV, em 02.07.10

Paulo Nozolino recusa o Prémio AICA/MC 2009 «em repúdio pelo comportamento obsceno e de má fé que caracteriza a actuação do Estado português na efectiva atribuição do valor monetário do mesmo». O Estado está habituado a mudar as regras quando lhe convém e como lhe apetece, independentemente dos compromissos assumidos e publicados. «Nunca, em todos os prémios que recebi, privados ou públicos, no país ou no estrangeiro, senti esta desconfiança e mesquinhez. É a primeira vez que sinto a burocracia e a avidez da parte de quem pretende premiar Arte. Não vou permitir ser aproveitado por um Ministério da Cultura ao qual nunca pedi nada. Recuso a penhora do meu nome e obra com estas perversas condições. Devolvo o diploma à AICA, rejeito o dinheiro do Estado e exijo não constar do historial deste prémio.» Primeiro, na cerimónia da entrega do prémio (uma distinção e não um concurso), dão a Nozolino um papel dentro de um envelope, onde lhe prometem um cheque; no dia seguinte, pedem-lhe uma declaração fiscal, como se Nozolino tivesse realizado um trabalho para a Direcção-Geral das Artes e o fotógrafo tivesse respondido uma encomenda. É uma novidade absoluta no comportamento do Estado com um premiado – que não pediu para ser premiado.

Termina assim o comunicado de Paulo Nozolino, publicado no site da editora Frenesi, e intitulado «Um Estado que não sabe lidar com homens feitos de uma só peça»:  «Nunca, em todos os prémios que recebi, privados ou públicos, no país ou no estrangeiro, senti esta desconfiança e mesquinhez. É a primeira vez que sinto a burocracia e a avidez da parte de quem pretende premiar Arte. Não vou permitir ser aproveitado por um Ministério da Cultura ao qual nunca pedi nada. Recuso a penhora do meu nome e obra com estas perversas condições. Devolvo o diploma à AICA, rejeito o dinheiro do Estado e exijo não constar do historial deste prémio.»

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Chips, parte dois.

por FJV, em 02.07.10

Os chips electrónicos obrigatórios nos carros deviam ser chumbados pela Comissão de Protecção de Dados. Fotografar automobilistas nas portagens das Scuts é absolutamente a mesma coisa. Que seja o constribuinte ou o Estado a pagar o controle electrónico da nossa passagem em, digamos, Paços de Ferreira, é a mesma coisa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Garantias.

por FJV, em 02.07.10

O ministro Teixeira dos Santos apresentou uns Titulos do Tesouro para que os portugueses apliquem as suas economias – no Estado. Faz bem. Os títulos dessa natureza são geralmente subscritos por «pequenos aforradores», pouco dados a manobrarem com as aplicações dos bancos. Infelizmente, o ministro Teixeira dos Santos tem fraca memória. Só isso explica que venha oferecer como o Estado como garantia. Muitos não esquecem o que o Estado e o ministro Teixeira dos Santos, de mãos dadas, fizeram aos Certificados de Aforro. Vou a Orense e já volto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Só para vos irritar.

por FJV, em 02.07.10

De repente, o público encontrou um bode expiatório que ultrapassa a própria tentação de sacrificar Carlos Queiroz depois da derrota – aparentemente normal – da selecção nacional na África do Sul. Essa catarse portuguesa encontrou o seu alvo: Cristiano Ronaldo. A televisão explora até ao mínimo frame a possibilidade de interpretar cada palavra sua. Quando é que ele disse que assim não íamos ganhar? Quando é que ele mencionou que deviam perguntar a Queiroz o motivo da derrota? E, de repente, nos fantásticos fóruns das rádios – onde se encontra o denominador comum de todas as banalidades – aí está o culpado. Não o professor Queiroz. Não. Ronaldo. Ronaldo, o miúdo arrogante, o miúdo que ganha dinheiro, o miúdo que tem acidentes com automóveis caros e se expõe a cada centímetro da nossa curiosidade.

De repente, múmias arrancadas ao Além aparecem a exigir temperança ao capitão da selecção – mais do que futebol. E a acusação do costume («Ronaldo não joga para a equipa») como se Ronaldo não tivesse feito um passe, não tentasse um golo, um remate fatal (e isso é jogar para que equipa?), uma jogada, uma queda fingida a nosso favor. E o costume: inveja. Inveja de Ronaldo, da modelo russa com quem se passeia, do talento extraordinário que funciona em todas as equipas (funcionou no Sporting, funcionou no Manchester, funcionou em Madrid) – menos na selecção. E por que não funciona na selecção? Porque «Ronaldo não joga para a equipa».

Este axioma imbecil repete-se até à exaustão sem que uma única voz apareça a defender o mais evidente de tudo: que há equipas que também jogam para Ronaldo (o Manchester, o Madrid) e que há equipas que não jogam para Ronaldo (como a selecção). E que desprezar um talento e um génio absolutamente fatais – como o de Ronaldo – é um atentado contra o futebol e contra a arte que nos faz gostar da bola. O que o Portugalinho queria era o talento de Ronaldo mas sem lhe servir uma bola e exigindo que se submetesse à mediocridade, para não parecer aquilo que ele é: o objecto da inveja nacional.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds