Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Silvassa, por exemplo.

por FJV, em 29.03.10

Hoje confinados ao extremo ocidental, é natural que recordemos as “partes do Império”. Há autores que vão escrevendo sobre as suas (ou dos outros) memórias de Angola e Moçambique, por exemplo. O timorense Luís Cardoso trouxe-nos a sua ‘visão ultramarina’. Cabo Verde tem a sua literatura há muito, e os portugueses não têm memórias coloniais do arquipélago. Raquel Ochoa, em A Casa-Comboio (Gradiva), recria a presença dos portugueses na Índia (Nagar-Aveli, Diu, Damão, Goa) durante 450 anos, através de uma história familiar e comovente. Para primeiro romance é muito bom – e convinha que os seus leitores se dessem conta de que têm nas mãos um documento excepcional que recupera para a nossa literatura um mapa que, desde o salazarismo, tem sido ignorado e maltratado.

[Na coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Douta Ignorância, emblema antigo.

por FJV, em 29.03.10

Bruno Vieira do Amaral, Rui Passos Rocha e Tiago Moreira Ramalho estão unidos pelo emblema («douta ignorância»). A ver se a raiz vem de Sócrates ou de Nicolau de Cusa.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds