Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Liberal à moda antiga.

por FJV, em 23.11.09

O conluio entre o Estado e as grandes corporações deixa os cidadãos indefesos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A caminhada triunfal, 3.

por FJV, em 23.11.09

O Tomás Vasques detectou aquilo que é evidente na governação do grupo parlamentar do PSD: a teoria da sala-de-espera.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Inverdade.

por FJV, em 23.11.09

O governador do Banco de Portugal pensa que «será necessário aumentar os impostos». A menos que se trate de uma inverdade, pelo menos confirma que o método não muda: em caso de dúvida aumentam-se os impostos. Alguém tratará, depois, da engenharia ideológica que esclarecerá que não se trata de aumento de impostos. Não é confuso, descansem. É assim mesmo: aumentam-se os impostos, na convicção de que não se aumentam os impostos; apenas se dá ao País aquilo  que o país votou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As grandes frases do regime, 3

por FJV, em 23.11.09

 

«O Benfica vai jogar frente aos polacos com a sua táctica do pirilau, mas irá fazê-lo de uma forma bem erecta.»
[Paulo Autuori de Mello, treinador do Benfica, sobre o segundo jogo com o modestíssimo clube polaco Ruch Chorzow, após a goleada por 5-1 no Estádio da Luz.]
Record, 26 de Setembro de 1996
 

«Michael Thomas será uma espécie de professor nesse aspecto, pois penso que Calado irá aprender muito com ele em aspectos tácticos, de timing de acção, de pensar o jogo com a bola e sem ela. Se tivermos sorte, em dois anos Calado poderá conquistar o mundo.»
[Graeme Souness, treinador do Benfica.]
A Bola, 26 de Julho de 1998

 

«Como árbitro não erro, mas às vezes equivoco-me.»
[Carlos Valente, árbitro.]
Público, 9 de Outubro de 1991

 

«Se tivermos a felicidade de ser campeões, o país vai parar, para não dizer que também o mundo parará.»
[Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, em declaração solene na cidade alemã de Gross-Umstadt, durante a inauguração de mais uma Casa do Benfica.]
A Bola, 17 de Abril de 2005

 

«Acredito em tudo. Só não acredito que seja possível meter um guarda-chuva no rabo e depois abri-lo.»
[Raul Águas, treinador do Sporting.]
Gazeta dos Desportos, 16 de Fevereiro de 1990
 

«Tive uma conversa com o jogador e o homem e este último disse-me que podia contar com o primeiro.»
[Álvaro Magalhães, treinador do GD Chaves. O jogador e o homem chamavam-se Denis Putnik.]

A Bola, 31 de Janeiro de 1998
 

 

João Pombeiro, 30 Anos de Mau Futebol [Quetzal]

Sexta-feira nas livrarias

Autoria e outros dados (tags, etc)

Espinosa.

por FJV, em 23.11.09

Amanhã comemora-se mais um aniversário do filósofo Bento Espinosa, Baruch Espinosa na sua forma hebraica; de origem portuguesa (da Vidigueira) nasceu em 1632, na Holanda, onde a sua família se refugiou para fugir da Inquisição portuguesa. Foi excomungado pela Sinagoga Portuguesa de Amesterdão em 1656 por defender que a Bíblia não deve ser tomada à letra; pelo contrário, é uma alegoria sobre a história, tal como Deus é uma espécie de representação da própria Natureza. Tivessem sido aceites as teses de Espinosa e não andaríamos, em 2009, 350 anos depois, a discutir o dogma banal da crueldade divina ou atrapalhados com a distinção entre ética e política. Jorge Luís Borges escreveu-lhe um poema belíssimo sobre “o homem que engendra Deus”. Não aprendemos a sua lição.

[Na coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds