Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Luís Naves: Territórios de Caça.

por FJV, em 09.11.09

Momento único e belíssimo: a actuação do Quarteto de Vasco Barbosa (um cavalheiro de 79 anos, vivísssimo, um violino melancólico e profundo, de acorde eslavo), que interpretou o Nocturno de Borodin antes da apresentação do livro, propriamente dito, por um João Villalobos inspirado — entre livros e música, portanto, foi assim o final de tarde de hoje na Bertrand do Chiado. Muitos amigos de Luís Naves e muitos bloggers (Tomás Vasques, João Gonçalves, Tiago Moreira Ramalho, José Mário Silva, Inês Almeida, Cristina Ferreira de Almeida, Pedro Correia, Francisco A. Leite, João Távora, Fernando Madaíl, António Manuel Venda, Fernando Sobral, muitos mais).
O livro vem a propósito — não só pelo seu cenário, a Hungria, mas pelos seus temas e pela sua melancolia. Não percebemos nada dessa Europa, da velha, civilizada e culta Mittleuropa — o livro de Luís Naves pode ajudar, como uma introdução ao estudo da relação entre diferentes que nunca se encontram verdadeiramente.

«A rua Gogol deve ser das mais agradáveis da nossa cidade: tem fileiras de faias pujantes, muitas delas plantadas no início do século. O bairro, fisicamente, não sofreu durante a guerra. Durante o regime comunista, as melhores casas foram nacionalizadas, para alojar trabalhadores. No fim do regime, foram vendidas, a bons preços. Os prédios estão preservados e só alguns se encontram em mau estado sem obras há décadas.

Enfim, nesta parte da cidade não houve bombardeamentos de guerra, mas aidna se podem ver as cicatrizes do século. Aqui fica o gueto judeu, com a sinagoga e ruas elegantes, com jardins tranquilos. E o que ainda hoje se observa é ausência de antigos habitantes.

Jamais pensamos nas pessoas que faltam, mas para se compreender a nossa cidade, é preciso pensar nas ausências, nos hiatos, no que devia estar ali, mas não está. Famílias inteiras, gente que vibrava e pensava, cheia de vida e de paixão, de sonhos como os nossos... »

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fidalgos.

por FJV, em 09.11.09

Convém irmos à literatura para de vez em quando. Numa das Novelas do Minho, Camilo Castelo Branco lamenta-se pelo fim dos fidalgos das Terras de Basto. “É pena”, escrevia ele, que foi um retratista de exceção – além de um dos nossos maiores e prodigiosos escritores. Há cada vez menos fidalgos, de facto. Em vez deles e de quem os simboliza, o plebeísmo da corrupção invadiu e tomou conta do país, devorando-o e desculpando os salteadores à falta de fidalgos que deem o exemplo – e à míngua de exemplos que sejam um modelo de honra na política, na cultura e na vida. Nada escapa e tudo se desculpa como se a permissividade bastasse para esconder a desgraça em que estamos e o retrato grotesco desta gentinha. Já não há fidalgos, nem nas Terras de Basto (onde há mais probabilidade de existirem), bem dizia Camilo. O país vai ficando deserto.

[Na coluna do Correio da Manhã]

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds