Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Livro novo, hoje.

por FJV, em 11.12.08

 

Hoje, às 21.00, na Fnac/Chiado, lançamento de Transa Atlântica, de Mónica Marques, com apresentação de Pedro Rolo Duarte e Miguel Esteves Cardoso.


Textos do livro:

«Um homem é um homem, nunca fala de coisas como traições, noites mal dormidas, desconfianças – limita-se a abrir a janela e a fumar um baseado, a foder de outra maneira, mais silencioso, vivendo por dentro a alegria da criação. Fica sozinho. Um homem a sério fica sozinho e não chora. Fica amargo, fecha os olhos e espera que passe como passam os aviões da ponte aérea Rio-São Paulo, a linha do horizonte sobre as ilhas, a neblina sobre a Gávea, a suspeita sobre a próxima traição. Espera, um homem espera como espera que desça a espuma no copo de chope, que termine a música na pista de dança, que as nuvens de mosquitos se afastem do caminho no meio da Praça Antero de Quental, que a mulher regresse a casa, isso é um homem a sério, um homem com os seus segredos.»

 

«OUTRAS MULHERES COM RUGAS LINDAS e quase imperceptíveis nos cantos dos olhos, nos cantos da boca. Mulheres levemente consoláveis. Os maridos nos empregos, ou jogando playstation. Nos casos mais graves, jogando Sims Pets nos gameboys dos filhos.
Se fosse homem apaixonava-me por mulheres assim. Mulheres que já não sentem tesão pelos maridos, mas abnegadas. Mulheres que dão. Simplicidade do português do Brasil: dar. Mulheres que nunca usaram calcinha fio dental aos vinte anos e demoraram eternidades para se deitar com um homem que gostaria muito de casar com elas e ter filhos e um apartamento cheio de paredes brancas. Mulheres muito casadas. Mulheres muito lindas e sem tempo para namorar. Mulheres um bocadinho psicanalisadas. Mas só um bocadinho, porque ninguém aguenta ter tanta razão. Mulheres apaixonadas pela terapeuta. Mulheres que sabem transar. Mulheres que não querem ser as melhores designers, as melhores médicas. Mulheres que, quando muito, sonhavam em ser fotografadas pela Annie Leibovitz. Mulheres que nunca viram um pau circuncisado. Mulheres que dizem: amo-te, amo-te, amo-te quando se estão quase a vir e ouvem como resposta: Dizer que me amas enquanto fodemos, não vale.
Lindo.»

 

«Não. Uma mulher do mundo gosta de homens brasileiros que bebem copos cheios de whisky a acompanhar as refeições e desdenha – acima de tudo – a filosofia kantiana do imperativo categórico que a obriga a ir contra seus desejos e vontade. No fundo, uma mulher de jeito tem uma tendência natural para o abismo e o pecado. Chove todo o dia. Imagino os flamboyants em redor da lagoa. Um amor que acaba é triste mas às vezes não é triste, é só uma espécie de consolação por todas as mulheres que gostavam de ser outras mulheres e de fumar maconha, de ter recordações nas paredes de casa, uma colecção de vibradores escondidos na gaveta do quarto, um marido que se ausenta e um marido que está sentado à mesa. Uma mulher portuguesa no Rio, a cidade onde os flamboyants deixam de florir quando se aproxima o Outono que nunca vem – é esta a história da minha vida: brazilian wax, os jogos do Fluminense, os garotos surfando, piadas de português, chope no boteco do Jobi, o ruído das crianças quando saem de casa logo de manhã a caminho do colégio, a neblina que pousa sobre as coisas aos sábados de manhã, quando os velhos do quarteirão defronte vão a pé para a sinagoga, os seus chapéus limpos e escovados, e há aquela vida que desperta no meio do abismo e do pecado, como um clarão, um relâmpago. Eu nunca vi esse relâmpago, nunca vi a escada que sobe do centro do abismo para o deserto todo à volta. Só queria esquecer a ferida que o romance abriu.
Antigamente escreviam-se romances. Não porque houvesse histórias para contar, mas porque nenhuma história devia ser escondida. Hoje sei que há coisas que vale a pena esconder, porque passam, passam depressa como a lembrança da sombra dos morros, uma nuvem que atravessa a Tijuca, uma voz que se perde no meio do ruído.»
 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds