Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Fernández Paz

por FJV, em 16.07.08

Há livros que só poderiam ser vendidos nas farmácias e com necessidade de receita médica: é o caso de Só Resta o Amor, de Agustín Fernández Paz (Edições Nelson de Matos) – uma história infiel, como acontece com as que valem a pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Justiça.

por FJV, em 16.07.08

 

A justiça não pode ser feita com preconceitos. Um deles, o mais grave, é o da admissão prévia da culpabilidade dos suspeitos, ainda nem sequer acusados – uma espécie moderna de ressentimento e de maldade. Os casos Apito Dourado e Maddie são exemplos disso e de como a opinião pública pode perder a confiança nas investigações e na própria justiça. Chegámos a um impasse e regressámos ao ponto em que ‘as coisas vão dar em nada’. Por mais que o Ministério Público recorra automaticamente (como manda o PGR) fica a desconfiança sobre os métodos, as razões e os orçamentos gastos numa investigação que pode acabar afogada em desprestígio. A justiça tem de ser mais cuidadosa com o foguetório que lhe gasta os fundos, lhe malbarata a credibilidade e a associa a gente muito duvidosa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Amor às vezes.

por FJV, em 16.07.08

 

Um estudo concluído pela Universidade do Minho alertava ontem as consciências mais modernas da Pátria para o facto de 25% dos jovens entre os 15 e os 25 anos já terem sido vítimas de violência numa relação amorosa. Entenda-se: as moças, em larguíssima maioria. Essa violência inclui o ‘sexo forçado’ ou a violação, se bem que, para os energúmenos entrevistados (adolescentes a precisar de estaladas) o ‘sexo forçado’ não signifique ‘violação’. Aí está uma não-definição primorosa. Na ‘relação amorosa’ desta rapaziada cabem ‘sovas, murros e pontapés’. Não fico espantado ao ler os números nem as descrições. Tratados como ‘bons selvagens’ pela escola e pelo Instituto da Juventude, eles fazem tudo para merecer o atributo. O amor pode ser cruel, mas há coisas que escapam ao entendimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ronaldo.

por FJV, em 16.07.08

 

O miúdo Ronaldo devia ter vergonha na cara, mas o império da FIFA dá-lhe razão. Ele acha que está a ser tratado ‘como escravo’ no Manchester e quer ir para Madrid, onde fica mais perto não se sabe bem de quê – mas o leitor sabe (sim, há escravos ricos – mas não exibem a sua fortuna). Se tivesse um agente à altura, ele estava quietinho em Manchester, de mordaça, com o pé em repouso e a ver repetições do Bonanza. O problema dos talentos portugueses que andam nas primeiras páginas dos tablóides é que não conseguem sequer os mínimos olímpicos da sensatez. Ronaldo está talhado para o quadro de honra do futebol mas, como outras estrelas que se perderam, sofre daquela maravilhosa tentação pela estupidez. Não é o seu talento que é imbecil – é a cabeça, que às vezes até marca golos.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds