Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Livros, sombras, relâmpagos.

por FJV, em 03.06.08

Passam hoje sete anos sobre a morte de Manuel Hermínio Monteiro. Notar sete anos de ausência significa que ele faz falta. Que nos faz falta, aos amadores de livros. Transplantado para Lisboa, onde passou a parte mais essencial da sua vida, foi editor (na Assírio & Alvim), professor, poeta, gastrónomo, amigo de poetas e de editores, figura visível do movimento literário da época – e viajante curioso e disponível. Lembro-me de Manuel Hermínio Monteiro a cantar boleros mexicanos e imagino uma biblioteca que se transforma em salão de baile no meio da montanha entre coisas essenciais que nunca o abandonaram: árvores, serras, livros, sombras, relâmpagos, memória oral, vegetação, personagens, amigos rodopiando. Recordo-o como um destino que passou entre nós, fazendo-nos falta.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds