Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estratégias específicas são baratas.

por FJV, em 30.04.08
Façamos contas: reprovações na escola saem caras aos cofres do Estado. É melhor «adoptar estratégias específicas para cada estudante que tenha maus resultados». Todos sabemos isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

E a minha política é o trabalho.

por FJV, em 29.04.08
O fundador do Movimento Mérito e Sociedade diz que não se revê «nas orientações políticas nem da Esquerda nem da Direita». Pedro Passos Coelho diz que «não [é] de direita nem de esquerda». 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Onde está a felicidade?

por FJV, em 29.04.08
O objectivo do Estado não é a criação da felicidade terrena, mas o de permitir a sua conquista pelos cidadãos. Por isso, o alcaide de El Prado, uma pequena cidade chilena, nos mares do Sul, resolveu distribuir mensalmente quatro comprimidos de Viagra aos homens com mais de 60 anos. A ideia é melhorar «a qualidade de vida». Fazes bem, excelente alcaide.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Liberdade de expressão em Tianamen.

por FJV, em 29.04.08
O presidente do Comité Olímpico Português defende que um boicote aos Jogos de Pequim é prejudicial para a China, para o povo chinês e para os atletas. Pode ser. Anteontem, Vicente de Moura dizia que não haverá restrições à liberdade de expressão dos atletas em Pequim, ah!, repare-se bem!, «excepto na Aldeia Olímpica». Vão falar na Praça Tianamen?
[Da coluna do Correio da Manhã.]

Já agora, consultar este post de Tomás Vasques sobre a celeridade da justiça chinesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O discurso é de graça.

por FJV, em 29.04.08

Os liberais que desembarcaram na Praia dos Ladrões, na Areosa do Pampelido (ficaram para a história como os bravos do Mindelo), vinham dos Açores para libertar Portugal. Nas páginas da historiografia liberal, as ilhas permaneceram como uma espécie de reduto heróico de onde viria a redenção em momentos de crise. Depois da guerra civil e da ida de D. Miguel para o exílio, também os absolutistas encararam a hipótese de formar um exército para invadir o país a partir das ilhas; a dúvida é se o quartel-general seria nos Açores ou na Madeira. Para Alberto João Jardim não há lugar a dúvidas: é da Madeira que deve partir o exército para lutar contra a “candidatura do regime” de Manuela Ferreira Leite. Para o efeito, como acontecia a cada passo com os generais, os príncipes proscritos e até os sargentos de milícias, o líder madeirense já dirigiu uma exortação “às bases do partido e aos dirigentes patriotas”. É certo que ainda lhe falta o exército, mas o discurso é de graça.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Moscavide e o calor.

por FJV, em 29.04.08
Parece que, em Moscavide, aconteceu o absurdo: um homem de 20 anos dirige-se à esquadra da polícia para queixar-se de uma agressão de que fora vítima. Uma pessoa espera sentir-se a salvo dentro de uma esquadra. Não foi o caso – os agressores entraram na esquadra e completaram o serviço com mais pancada à discrição. A ser verdade que isto aconteceu às portas de Lisboa, trata-se de uma bela encenação que merece uma explicação do ministro da Administração. Escrevo «a ser verdade» porque não me parece crível que dentro da esquadra estivesse apenas um agente, um solitário agente da polícia, incapaz de repelir o assalto de um bando de energúmenos. O comando da PSP de Lisboa explica que havia muitas pessoas na rua e que as temperaturas estavam elevadas – de modo que ficou apenas um agente na esquadra. É uma explicação confortável e aceitável. Quando chegar o Verão e houver ainda mais gente nas ruas de Moscavide, a esquadra vai ser entregue a um grupo de baile. Está na cara.
[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Perdão?

por FJV, em 28.04.08
Em que merda de país é que estamos, se numa entrevista com António Cunha Vaz se diz «os jornalistas temem-no» ou «os comentadores falam dele como se se tratasse do demónio em pessoa». Os jornalistas temem-no? E que jornalistas são esses?

[Actualização] Luís Paixão Martins no seu blog: «Incomoda-me muito, enquanto consultor de comunicação e enquanto empresário, que esse trabalho, de anos e anos, de muitos de nós, esteja agora a ser destruído por um arrivista amador que confunde a influência com telefonemas a “amigos” e o trabalho de profissionais com as suas frustrações políticas.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

O cantinho do hooligan. A verdade desportiva, ou lá o que é.

por FJV, em 27.04.08
Vitória com flamenco, milonga e tango. Não há resultados mais convenientes do que outros. No fim de contas, 5-0 são 5-0. O Vitória merece o segundo lugar, mas terá de fazer-se ao caminho. Quanto ao argonauta da Luz, antes de pensar em invocar o fair play, devia lembrar-se de que aos dois minutos de jogo no Dragão já estavam a levar olés. Isso sim, foi fair play.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Biodiesel & as contas do Estado.

por FJV, em 27.04.08

A  notícia certamente que não explica tudo, mas o essencial é isto: a ASAE multou a Junta de Freguesia da Ericeira em sete mil euros por lesar o Estado ao “deixar de comprar combustíveis fósseis”, não arrecadando este “a percentagem de 50 por cento”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

The Job Market.

por FJV, em 27.04.08

Autoria e outros dados (tags, etc)

Harare.

por FJV, em 27.04.08
Esta é uma notícia importante (a da derrota de Robert Mugabe). Talvez venha a ser um exemplo para o continente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As Têmporas da Cinza

por FJV, em 26.04.08


 

Quia pulvis sum – cinza me cubra:

pó com pó, silêncio com silêncio.

 

E nenhum jejum me santifique,

nenhuma penitência me redima.

 

É melhor assim: que os meus despojos gerem

uma erva daninha, um vaga-lume,

e outra parte de mim ande no vento.

 

Sei os meus deveres, sou pontual e ordeiro.

Tomarei o meu lugar no grande carrossel.

Ninguém me acusará de falta de comparência.

Não será por minha culpa

que a roda perpétua parará.

 

A.M. Pires Cabral, As Têmporas da Cinza

[Cotovia]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Filhas de Bragança.

por FJV, em 24.04.08

O Expresso deste sábado avançará com uma reportagem sobre as meninas de Bragança. Ora, nós somos um país sério, em pantufas, metidos connosco, sentado diante da televisão, com uma província cheia de melros a cantar nas oliveiras que ainda restam. Em 2004, a Time não tinha nada que nos vir incomodar com aqueles retratos, aquelas declarações citadas entre aspas (como manda a decência jornalística), aquelas revelações sobre as meninas de Bragança. O que é divertido, no entanto, não é a confirmação da existência de «meninas de Bragança» pelo país fora. Até dá um certo colorido. É a existência das Mães de Bragança, entretidas com a moral. Mas Bragança evoluiu, Bragança cresceu, Bragança modernizou-se, Bragança vai na senda do progresso; segundo parece, como conta um agente do SEF, os pobres homens de Bragança, em vez de passearem pelo Largo da Sé e subirem e descerem a Rua Direita discutindo a geada, o futebol e o isolamento do Nordeste, ou consultarem o catálogo do Museu do Sr. Abade de Baçal, são seduzidos por «anúncios publicados na imprensa» e caem na perdição, dirigindo-se na calada da noite até apartamentos alugados por brasileiras. Ah, fossem cidadãs de Vila Flor, Macedo de Cavaleiros, Alfândega da Fé ou Vinhais -- e tudo se explicava. Mas ainda por cima são brasileiras, não têm bigode e sabem-na toda.
Mas como o Altíssimo é perverso, o Expresso contará ainda mais esta miséria: «Duas das quatro mulheres mais activas do movimento contra a presença das meninas brasileiras na cidade, estão hoje divorciadas. E uma delas perdeu o marido para uma das prostitutas que tanto repudiava.»
Tudo isto ficaria bem num romance de Jorge Amado, se o retrato tivesse uma luz de decência ou de malandrice. Mas no meio do país sonso, de plástico sujo, incomodado com o espelho, eu limito-me a sugerir que Bragança deve ser defendida como uma explosão de sensualidade. E exorto bandos de machos fesceninos e malandros, a perderem a vergonha e a encaminharem-se para as portas da cidade, ao engate: às senhoras de Bragança, rapazes, às senhoras de Bragança!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Punk marketing. O regresso do rongorongo.

por FJV, em 24.04.08
«O Santanismo é uma espécie de Sebastianismo pós-moderno. Com a diferença de que no primeiro o "desejado" é apenas desejado por ele mesmo.»
{Hidden Perusader, no Bicho-Carpinteiro}

«A candidatura de Santana Lopes parece apenas um ajuste de contas com o passado. Um ajuste de contas motivado pela vontade de se vingar finalmente de quem julga ter começado por minar a sua ascensão a primeiro-ministro.»
{Paulo Pinto Mascarenhas, no Blogue Atlântico}

Autoria e outros dados (tags, etc)

Altíssima conspiração.

por FJV, em 24.04.08
Isto, sim, começa a ser interessante. Eduardo Dâmaso publicou um livro (A Invasão Spinolista) em que toca o assunto; eu recomendo a sua leitura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Punk marketing. Suplemento.

por FJV, em 24.04.08
Depuralina autorizada a voltar ao mercado: Santana Lopes anuncia candidatura à liderança do partido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

É a vida.

por FJV, em 24.04.08

Bagão Félix tem razão; ele queixava-se das leis laborais agora propostas pelo governo, que seguem a par e passo aquilo que o próprio Bagão Félix definiu quando estava no governo de direita. No mínimo, trata-se de um plágio; no máximo, estamos diante de uma traição. Na época, o PS (com o actual ministro à frente) fez ruído e, com o PCP e o BE, prometeu a revolução social, protestos na ruas e imolações nos sindicatos, com toda a esquerda à volta. Hoje, no governo, o PS não só não apagou a herança de Bagão, como até ‘dramatizou’ certos artigos da lei dos despedimentos. Ninguém de bom-senso vem para a rua queixar-se de o PS ‘não ser socialista’. A tentação socialista do PS, actualmente, é apenas 'fracturante & moderna', reduz-se ao aborto, à lei do divórcio, à ideia de que o povo é bom, e a pouco mais. António Costa dizia há uma semana que defender ideias de esquerda é bom quando se está na rua, mas muito aborrecido quando se chega ao poder. De facto, é a vida.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Descida aos infernos.

por FJV, em 24.04.08
Enquanto o país segue em frente, o PSD dilui-se numa pequena série de ‘bluffs’ para nos alegrar a semana. Neto da Silva e Patinha Antão? Conhece-os? Alberto João Jardim, conhece-o?  Uns por não serem conhecidos, outros por o serem demais, não dão para candidatos a não ser neste “teatro cómico” em que se transformou o partido. Ontem, os chefes do PSD do Porto e de Lisboa puseram A.J. Jardim na lista de hipóteses para a chefia do partido, lançando o isco às bases. Não vale a pena lembrar que arrebatar votos na Camacha ou em Porto Moniz não é a mesma coisa que ir buscá-los a Almada ou a Ermesinde. Começa a ser preocupante o suicídio desta gente, que se prepara para – se pudesse – destruir o PSD e transformá-lo num saco de gatos ou numa ninharia irrelevante, preparada para um cowboy vir tomá-la ao cair do pano. Infelizmente, o bom-senso não se mete nos neurónios destes cavalheiros. Às vezes é preciso descer aos infernos para regressar renovado; mas descer até este ponto?
[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Punk marketing. O PSD e os soldados.

por FJV, em 24.04.08
Há coisas que se aprendem com o tempo, mas convém fazer o desenho para não sermos surpreendidos: o que os caciques procuram não é um número razoável de soldados para combater, mas sim a soldadesca que lhes permita avançar até ao campo de batalha como rufias ou apenas gente suficientemente ruidosa. Nessa altura, todos perdem. E eles sabiam isso antes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Punk marketing. O PSD e as rimas.

por FJV, em 24.04.08
Os discursos de Santana Lopes estão cada vez mais parecidos com as primeiras canções de João Pedro Pais, com aquelas rimas de primeira: aqui, aí, por aqui, por aí, estou aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Feira do Livro: já há proposta da CML

por FJV, em 23.04.08
A CML já decidiu quem vai ocupar o Parque Eduardo VII com a Feira do Livro. Todas as informações e reacções aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mudança.

por FJV, em 22.04.08

Manuel Alberto Valente em nova editora a partir de agora.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nós, assuntos internos da China.

por FJV, em 22.04.08
Para que conste, a China deu hoje conta do seu “forte descontentamento” em relação à decisão de Paris tornar o Dalai Lama seu “cidadão honorário”, considerando que se trata de uma “grosseira ingerência” nos assuntos internos chineses.
Ou seja, os assuntos internos chineses já chegam à Torre Eiffel, digamos. Amanhã, na barra do Tejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje, lançamento da LER.

por FJV, em 22.04.08


Hoje, terça-feira, a partir das 21h30, no Belém Bar Café (junto ao Museu da Electricidade, em Lisboa), apresentação da nova revista LER.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Quotas de machos.

por FJV, em 22.04.08

A ministra espanhola da Defesa, Carme Chacón (nas fotos desta semana), está grávida de sete meses e passa revista aos soldados, alinhados e em sentido.  A imagem é nova e parece que serve de propaganda aos dotes fracturantes de Zapatero. Há quem se pergunte se a imagem faria sentido em Portugal, para rematar com um ‘não’ vivo e brutal, como se viéssemos das cavernas ou como se a Espanha tivesse criado a luz da civilização. O que não aconteceu, porque antes destas senhoras de Zapatero apareceram Margaret Thatcher ou Michele Bachelet. Suponho que, a haver uma ministra a fazer continência em Tancos, iríamos achar graça, como os espanhóis acham, e ficaríamos orgulhosos da nossa ministra. Seria uma revolução? Sim, mas a maior revolução seria reconhecer que depois de os socialistas portugueses aprovarem as quotas femininas, o Governo de Sócrates tem apenas duas ministras em 16 ministérios. Em França, com Sarkozy, há sete em 15. Na Finlândia, há 12 em 20. Somos um país de machos. Socialistas, mas machos.

[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

A vida dá muitas voltas.

por FJV, em 22.04.08
Parece que Zita Seabra, ontem, no Prós e Contras, justificou a aparente saída de Menezes com uma questão de invasão de privacidade. Claro que quando se expõe a vida privada, ela deixa de ser privada. Mas mesmo assim ainda é privada; só que se permitiu que fosse olhada em público, de janelas abertas. Vidas difíceis.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como se pode conspirar com uma certa margem.

por FJV, em 22.04.08
A China mandou um navio para Luanda mas ordenou-lhe que, de caminho, parasse em Maputo ou em Durban para descarregar armamento ligeiro e ofensivo destinado ao Zimbabwe ainda de Mugabe, o nazi de Harare. Moçambique e a África do Sul recusaram-se a deixar entrar o barco, que há-de ficar em Angola, onde há eleições em breve.
[Da coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Se isso acontecer.

por FJV, em 22.04.08
Se Manuela Ferreira Leite se candidatar à presidência do PSD, é provável e desejável que ganhe, até para acabar de vez com epifenómenos rasantes que têm ocupado mais espaço do que algumas vez teriam em circunstâncias normais. Circunstâncias normais e com cabeça.

Eduardo Pitta vaticina-lhe não só a oposição febril de Santana Lopes como, também, um desaire com pouca glória: «A senhora arrisca um desaire estrondoso.» Isto porque Manuela teria a boa-vontade e os votos da blogosfera, das elites e dos comentadores -- mas não os votos do maralhal. Ora, acontece que «o maralhal» já devia ter aprendido (não sei se aprendeu) com Santana Lopes e com Menezes o que valem os pantomineiros na política. E, se não aprendeu, então merece mais seis, dez anos de castigo, com Ribau Esteves e Gomes da Silva a dançar em redor do líder mais que putativo, uma mistura de Ângelo Correia, Santana e Meneses, para não referir Pedro Passos Coelho.
Pode brincar-se várias vezes ao ressentimento. O ressentimento conduziu Santana ao despautério, tanto no governo como na triste e patética campanha eleitoral que nos obrigou a assistir, engripado e rodeado de ausentes. O ressentimento contra a «ausência de elites» conduziu Menezes à presidência, e foi isto. Por isso, pode brincar-se várias vezes ao ressentimento, mas não sempre. É por isso que a candidatura de Manuela Ferreira Leite tem uma carga de compensação por esse abandono e por essas ausências; por mais delírio entre as massas que provoquem os nomes de Santana ou Menezes, trata-se das massas do partido. As massas do partido podem, por desfastio, querer um pirotécnico a participar nos jantares das concelhias ou distritais; mas não gostam de ver esses cavalheiros e a sua gentinha, promovida da JSD às direcções, no governo. E, se gostarem, então desfaçam o partido e juntem-se todos numa discoteca de Ílhavo. É o mínimo.
Por isso, a desvalorização penitencial de Manuela Ferreira Leite é perigosa para o próprio sistema político, por mais gozo que dê, vista de fora. A sua eleição significaria o regresso da política com gente. Seja em que partido for.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O cantinho do hooligan. Considerações.

por FJV, em 21.04.08

1. Baile. Foi baile. Tangos, milongas, boleros.
2. Não faço parte do clube de fãs de Rui Costa. Aprecio bastante cada passe falhado do «maestro», embora ache que é bem capaz de ser um dos melhores do Benfica; ultimamente faz figura de triste em todas as declarações depois dos jogos -- está a habituar-se às suas funções futuras.
3. Chalana. Ele, que tinha mesmo cara de treinador do Benfica. Nada a dizer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Júdice e a psicologia.

por FJV, em 21.04.08
Parece que José Miguel Júdice disse que não nunca votaria em Rui Rio por causa das «características psicológicas» do presidente da Câmara do Porto. Eu percebo. Mas olha quem fala.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3




Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds