Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De facto, todos falamos de educação, 3.

por FJV, em 21.03.08
Pergunta o Eduardo Pitta, a propósito do caso Carolina Michäelis: «Onde é que está a novidade?» Precisamente aí, Eduardo. Ao contrário de Laranja Mecânica, pelo menos, este não é «o resultado de um sistema que exclui largas franjas da sociedade». Nada a ver. É o caso de um sistema que absorveu todos os vícios de todas as franjas da sociedade. Não, não é na Cova da Moura, para onde «o sistema» enviaria polícias com medo de alterações na ordem pública; é no Carolina Michäelis, se me posso explicar assim, onde em Dezembro passado uma aluna agrediu uma professora por esta lhe ter dado negativa, para não falarmos de outros casos. Pode não se ser sociólogo para compreender estatísticas, mas a ideia é simples e o Manuel Jorge Marmelo escreve-a de forma clara neste post. Pode não haver novidade em relação ao fenómeno, à violência, ao bullying entre estudantes e contra professores; mas não creio que baste considerar que é inevitável a nossa entrada no cosmopolita mundo das agressões dentro das escolas.
Compreendo a ideia: não vale a pena fazer escândalo, só porque isto acontece a cada passo. Se é assim, de acordo.

Por outro lado, não vejo como o governo deva ser ouvido no parlamento a propósito disto. Levar a ministra ao parlamento por este caso é, naturalmente, um exagero; tudo devia ser resolvido na própria escola, com recurso a um processo disciplinar simples. Tirar conclusões sobre o sistema de ensino a propósito de uma aluna que agride uma professora e de um grupo de vândalos que lhe chama velha é, manifestamente, exorbitar. Mas trata-se de um retrato que não vale a pena desvalorizar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

De facto, todos falamos de educação, 2.

por FJV, em 21.03.08
Escreve Gabriel Mithá Ribeiro nos comentários ao post anterior:

«Lecciono desde 1991 e cedo ficou claro para mim, como provavelmente para a maior parte dos professores do ensino não superior, que os dois maiores problemas do sistema são a indisciplina e o facilitismo. A questão arrasta-se porque o discurso político e público em geral (mas especialmente o primeiro) insistem em inventar outros problemas ou transformar, por incompetência, questões laterais em essenciais (como é o caso do ECD, das aulas de substituição, etc.). Essa incapacidade doentia em pensar o sistema a partir dele próprio é que fez com que, na última década, se fossem sucedendo medidas que agravam até ao absurdo esses problemas: manutenção do número máximo de alunos por turma, «invenção» de áreas curriculares absurdas - «área de projecto», «estudo acompanhado» ou «formação cívica» -, aulas de 90 minutos, incapacidade de se perceber o valor estratégico dos exames nas políticas educativas, ou o ataque, desde 2005, à dignidade dos docentes sem se perceber que, independentemente dos dinheiros, estão a degradar-se ainda mais as réstias simbólicas que permitiam salvar alguma coisa. E como são problemas estruturais, o pior é debatê-los em cima dos factos para ver quem leva a taça. Se há área da política muito mal servida há décadas, e com sucessivos agravamentos, é a da educação. Tinha escrito em 2003 «A pedagogia da avestruz» e em 2007 foi a vez d'«A lógica dos burros». Esse parece-me, infelizmente, o sentido evolutivo da espécie. É a triste realidade.»

 
Gabriel Mithá Ribeiro é autor dos livros A Pedagogia da Avestruz e A Lógica dos Burros. Nasceu em Moçambique em 1965, é professor do ensino secundário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

De facto, todos falamos de educação.

por FJV, em 21.03.08
É cada vez mais frequente ouvirem-se especialistas em educação (que existem e devem ser respeitados) afirmarem que «todos comentam assuntos de educação». É verdade. De facto, todos falamos de educação. E não é pecado. Porque todos estamos, de uma forma ou outra, implicados no assunto.
É estranho, aliás, que alguns desses especialistas, que tencionam meter nas escolas (além dos estudantes, dos professores, do pessoal administrativo e auxiliar) os pais, os autarcas e a «sociedade civil», achem que ninguém tem inteira legitimidade para discutir assuntos de educação. Estranha contradição, mas adiante.

Ora, o caso da escola Carolina Michäelis, de facto, não é isolado. Recordo, não sem uma pontinha de comoção invejosa, o dia em que publiquei este post («duas agressões por dia [a professores] nas escolas portuguesas»); logo apareceram comentários, em outros blogs, ruminando que «a média não era muito alta». Santa estatística: duas agressões por dia em escolas portuguesas não era um número por aí além. Eu pensava que uma agressão por dia já era excesso. Eu compreendo: nesse post ironizava sobre «o bom selvagem». O pessoal não gosta que mexam no «bom selvagem, porque a existência do «bom selvagem» lhes proporciona momentos de grande elevação teórica e de generosidade pedagógica, transformando o professor nesse oleiro que trabalha o puríssimo barro em que as crianças, bem espremidas, consistem. Daí até à avaliação dos professores como oleiros vai um passo.

Passei a manhã a ler comentários na imprensa e na blogosfera. Grande parte deles, na imprensa online, pedia dois estalos na aluna. Compreensível. Acredito que não seria considerado um caso de violência familiar ou «cometida sobre o bom selvagem». Mas o cepticismo ficou reconfortado com os comentários que: 1) achavam que a culpa era da professora, que não soube lidar com a situação; 2) atribuíam a culpa às companhias de telemóveis; 3) achavam que a culpa era do mundo actual, cheio de indisciplina e de benevolência; 4) defendiam que a coisa não se resolvia punindo a adolescente que tratava a professora por «tu» (em «dá-me o telefone já!») nem a turma que dizia «a velha vai cair», precisamente porque «é preciso compreender».

sociólogos que alertam para a existência de bullying sobre os professores; grande novidade. Como escreve Maria Manuel Viana, nos comentários ao post anterior:
«A cena que vimos não é um caso isolado, por mais que o Mministério, a DREN, o conselho executivo nos queiram fazer crer. É uma cena, com contornos mais ou menos semelhantes, frequente nas turmas de básico e sobretudo nessas turmas de 'sucesso' que dão pelo nome de Novas Oportunidades. Se a tutela tem tido, ao longo destes 3 últimos anos, um discurso desvalorativo e humilhador para com os professores, como poderia pensar-se que esse discurso não seria reproduzido pelas famílias e depois pelos filhos? Que ninguém se atreva a falar em falta de autoridade ou em fragilidade, como já vi um psicólogo fazer do alto da sua cátedra. E não, isto não acontece só aos outros. Experimentem estar fechados numa sala com 20 e tal adolescentes descontrolados, pendurados nas janelas, de cadeiras em riste, a gritar obscenidades, a agredirem-se, sem nenhum funcionário por perto, durante 90 minutos 4 vezes ao dia, 5 vezes por semana e então podem falar com conhecimento de causa. Já nos anos 90 Marçal Grilo escolhera para título de um dos seus livros a lúcida frase: O difícil é sentá-los.»

Ler a crónica de Ferreira Fernandes no Diário de Notícias. E a de Manuel António Pina no JN.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds