Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Jurisdiquês.

por FJV, em 25.02.08

As novelas da Justiça portuguesa deviam indignar-nos. A palavra está gasta e não significa nada – mas poderíamos ser mais claros: devíamos zangar-nos. Já estávamos preocupados, mas agora devíamos zangar-nos mesmo. Ontem, no CM, João Vaz chamava a atenção para o descrédito que banaliza qualquer decisão dos tribunais sobre questões políticas e partidárias. Tem toda a razão. A mesma coisa acontece nos processos relativos ao Apito Dourado, sob os quais pende a desconfiança de estarem sustentados em profissões de fé, ou pura ignorância, dos investigadores ou dos magistrados. A guerra entre a Procuradoria e o governo é outro dos enredos que pode vir a terminar mal. Para já, desconfiamos das investigações, desconfiamos dos juízes e desconfiamos dos processos. Acabaremos, mais tarde ou mais cedo, a desconfiar da lei – o que seria uma tragédia, num país que tanto gosta de legislar sobre tudo e que se transformou numa cacofonia onde toda a gente fala ‘jurisdiquês’.

[Na coluna do Correio da Manhã.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Revista de blogs. Coisas de família.

por FJV, em 25.02.08
«A minha mãe está no Messenger, a perguntar se eu estou bem agasalhado.»
{Rogério Casanova, no Pastoral Portuguesa}

Autoria e outros dados (tags, etc)

Viajar, há cinquenta anos.

por FJV, em 25.02.08




Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds