Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Termalismo real.

por FJV, em 25.12.07


A meio da noite (bom, pelos meus critérios, lá pelas dez e meia, onze) encontro todo o género de pessoas na fonte das termas de Chaves. Vou lá por vício, levo o copo de casa (em Chaves, muita gente tem copos no porta-luvas do carro por isso mesmo), bebo a dose que me parece mais indicada à digestão, faço uma caminhada junto do Tâmega, mesmo quando chove, e regresso a casa. Raparigas elegantes que dá gosto ver, também lá vão. Sexagenários, adolescentes, gente em dieta de emagrecimento, grávidas, toda a gente. Anteontem, contei dois jornalistas lisboetas. Hoje, um professor de filosofia no Porto e um grande gestor (sim, desses) de uma dessas empresas (sim, dessas), sem falar de amigos antigos. Mantemos o hábito. O que nos faz essa água, quente, a 70ºC? O meu avô fazia a sua temporada de termas, queixava-se do fígado. Com o Fernão Magalhães Gonçalves, que me apresentou, passeei com Torga naqueles jardins, depois da sua «água da tarde». Isso é uma coisa, na época das termas. Mas nós, os bebedores anónimos, somos «civis» naquele reduto. Tratamos da digestão, passeamos no rio, andamos no meio da chuva.
[Foto de Humberto Serra

Autoria e outros dados (tags, etc)

Designações.

por FJV, em 25.12.07
O ministro Rui Pereira, lamento informar, tem razão neste assunto: ao contrário «do que se pensa», a vaga de crimes no Porto não traduz um aumento da criminalidade. Nem os jornalistas nem os políticos souberam distinguir entre criminalidade e história policial. Convinha «a certos» (como se diz no Porto, exactamente) que uma coisa se sobrepusesse a outra. Quem não entende a diferença entre as duas coisas, não entende nenhuma delas em separado.
O ministro não tem razão nenhuma é quando menciona a «mediatização». Um crime é mediático por natureza; aliás, já agora, algumas das melhores páginas de sempre na história do Jornal de Notícias têm a ver com crime; eram de artista, bem feitas, bem desenhadas, com histórias bem contadas e sempre próximas da rua.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Revista de blogs. Contas de Natal?

por FJV, em 25.12.07
«Qualquer coisa na mensagem de Natal do nosso primeiro-ministro - não sei se o tom satisfeito, se o olhar elevado (quem é que teve a ideia de pôr o teleponto acima da câmara?) - despertou em mim o pequeno taxista que há em todos nós e, perante o anúncio do bom estado das contas públicas, dei por mim a pensar "O que tu queres sei eu!".»
{Cristina Ferreira de Almeida, no Corta-Fitas.}

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma vida violenta.

por FJV, em 25.12.07
A propósito das histórias da violência do Porto, não há muitas coisas subterrâneas e o assunto não é muito fértil para as teorias da conspiração. Um dos caminhos legítimos é o de analisar a espuma da imprensa e das suas intenções (quanto mais próximas do que nós pensamos estão as insinuações da imprensa, mais verdadeira ela parece ser); mas as histórias reais aproximam-se mais disto do que dessa coisa luminosa que é o recorte e arquivo de imprensa. É uma pena, não é?

Ver e ouvir, também, os links desta página.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Desculpem estragar a West Coast.

por FJV, em 25.12.07
Crónica de Manuel António Pina no Jornal de Notícias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Adenda.

por FJV, em 25.12.07
Sobre este post («Beluga, telemóveis e capital bancário»), o Tomás Vasques esclarece, e bem: «Segundo os dados da SIBS (de acordo com o Público), nos primeiros 18 dias de Dezembro os portugueses usaram os seus cartões Multibanco para levantar 1388 milhões de euros e para comprar produtos com o valor de 1547 milhões. Estes números, somados, representam um acréscimo de 6,3 por cento face aos mesmos dias do ano anterior. Tendo em conta que a inflação homóloga, em Novembro, se cifrou em 2,8 por cento, regista-se um acréscimo real das aquisições feitas utilizando este método de pagamento de 3,5 por cento.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

O longo braço do poder.

por FJV, em 25.12.07
Tem toda a razão LR no Blasfémias, quando diz que o episódio do BCP confirma a impotência do capitalismo português e a sua tendência para se «refugiar na asa protectora e interesseira do Estado». Só que LR acha que isso dói. Ora, não dói coisa nenhuma. Sendo verdade que, diante da ameaça do «escândalo público», o suposto capitalismo português «verga a cerviz, atento, venerando e obrigado», há a considerar que não há nenhum capitalismo português dessa dimensão; há é uma série de gestores e de homens ricos (e que da sua fortuna fazem único emblema de poder) que negoceiam e aproveitam o que podem com o Estado, pai de todas as oportunidades e mãe de todos os vícios. Para se fazerem esses negócios, juizinho. Quem é que o capitalismo português foi buscar para salvar-se, quem foi? Mas é o destino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do ponto de vista do argumento.

por FJV, em 25.12.07
Por que razão as ilegalidades cometidas no BCP ou pelo BCP só agora são ilegalidades apesar de Vítor Constâncio ser o mesmo presidente do Banco de Portugal de 2000?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um bom argumento. Get shorty.

por FJV, em 25.12.07
A ninguém escapou a intervenção decisiva do Estado na escrita do guião do «episódio BCP». Vítor Constâncio está no Banco de Portugal e sabia. Teixeira dos Santos esteve na CMVM e sabia. Porém, interessa considerar o primeiro aspecto importante do ponto de vista do argumento: diante da evidência do desastre, do perigo iminente de investigações aprofundadas e públicas, da ameaça de sanções e de prejuízos, houve uma reunião em que accionistas do BCP convidaram Santos Ferreira para liderar o banco.
Segundo aspecto importante do ponto de vista do argumento: sendo certo que o dinheiro não tem cor, que mais valias ofereceria a nova liderança para que, com a sua presidência, o cenário de crise fosse afastado? Será que, com a nova liderança, presidência e vice-presidências incluídas, estaria afastado o cenário de investigações aprofundadas e públicas, de sanções e de revelações dos pecados da finança?
É claro que, do ponto de vista do argumento, isso implicaria que alguém pressentisse o xeque-mate. Para salvar o rei, entregam-se os bispos e as torres. Ou convida-se o próprio adversário a poupar o prestígio do rei (e da rainha, uma vez que são precisas peças) para que o jogo continue. Como se sabe, o xadrez dá pano para mangas.
Porém (estamos a falar do ponto de vista do argumento), a nova liderança tem de dar a impressão de que vai salvar o jogo e não impor as suas regras a troco de um religioso silêncio. Não pode substituir todos os generais. Mas, por lapso e atrevimento, revela mais do que devia: o general-chefe quer levar todos os seus ordenanças e isso levanta suspeitas.
Do ponto de vista do argumento, estamos numa encruzilhada.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds