Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por FJV, em 08.09.07
||| Furacões.












Tenho pena que Lote Tuqiri não tenha pontuado, mas a Austrália entrou razoavelmente e terminou como furacão, com 91-3 sobre o Japão (a propósito, repararam em Loamanu, o rapaz que nasceu Tonga e pesa 108 kgs?, e em Luatangi Samurai Vatuvei, os 120 kgs de Tóquio?). Se fosse possível levar para o futebol português o espírito e o tom do jogo australiano, teríamos mais preparação física e menos flibusteiros no campo: nada de «gestão de esforço», nada de «estratégia de poupança de energia». Jogaram até ao fim. Ouviram Matt Gitteau antes do jogo? Foi assim: «You've got to take every match as seriously as if you're playing the All Blacks. You've got to play your best football.» Lembrem-se, para comparar, do que se disse aqui antes do nosso joguinho contra a Arménia. Gitteau ainda entrou no último quarto do jogo e converteu com concentração. Os dois últimos ensaios, sobretudo o que resultou de uma fuga do demolidor Drew Mitchell (com conclusão de Berrick Barnes, um troca-pés fantástico que se estreou com dois ensaios) provam que é jogo até ao último minuto. O arranque de Rocky Dan Elson (um senhor), o melhor da primeira parte, só teve comparação nos dois mais feios da equipa, Chris Latham e Stirling Mortlock (piores do que Matt Dunning), o homem das conversões. Mas a segunda parte foi digna. Treze ensaios já foi um bom espectáculo.
[FJV]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

...

por FJV, em 08.09.07
||| Comentários.


João Moreira, por email, ainda há pouco:
«Estou a ver os wallabbies, depois de ter visto os all blacks e ontem, os pumas. Duas questões:
1) Por que é que ninguém colocou interrogações aos nossos Lobos não nascidos no território nacional? É só no futebol que a questão é levantada e quando toca a futebolistas de determinado clube?
2) O sistema de pontuação do torneio está bem ponderado. No futebol, um sistema semelhante seria bem acolhido (4 pontos por vitória; 2 por empate; 0 por derrota. E ter uns bónus para evitar jogadas de bastidores e anti-jogo). O espectáculo só teria a ganhar.
P.S.: Pelo que vi da Itália e da Nova Zelândia, os Lobos só têm de estar atentos ao grupo D (e ao 2º classificado) para o jogo de 6 de Outubro, em Cardiff. Vou ver se (ainda) há "tickets".»
[FJV]

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.09.07
||| Informação preciosa.










Quando a Nova Zelândia tinha acabado de deixar o marcador a 76-14 contra os italianos, o Jorge Marmelo informou-me que, na TVTel, o Mundial de Râguebi passa em canal aberto na DSF. Fiquem sabendo.
Mas agora é o Austrália-Japão. Ou seja, depois dos All Blacks, o talento dos Wallabies. Gosto das cores, mas Stephen Larkham até podia jogar de cor-de-rosa que era sempre bom.

Entretanto, o meu patriotismo de râguebi, chama a atenção para esta alcunha: the new kids on the block. Perder, até podem – mas mostrem músculo e perna.
[FJV]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

...

por FJV, em 08.09.07
||| Blog em destaque.













Enquanto festejamos a Argentina com entusiasmo depois de terem vencido a França, recordemos que este é o site português do momento, na companhia deste.

E estes são os artistas, além de Tomás Morais: 1 - Rui Cordeiro, 2 - Joaquim Ferreira, 3 - Ruben Spachuck, 4 - Gonçalo Uva, 5 - David Penalva, 6 - Juan Severino, 7 - João Uva, 8 - Vasco Uva (c), 9 - José Pinto, 10 - Cardoso Pinto, 11 - Pedro Carvalho, 12 - Diogo Mateus, 13 - Frederico Sousa, 14 - David Mateus, 15 - Pedro Leal. Suplentes: 16 - Juan Muré; 17 - João Correia; 18 - Paulo Murinello; 19 - Diogo Coutinho; 20 - Luis Pissarra; 21 - Pedro Cabral; 22 - Miguel Portela.

Para quem não perceber bem o que se passa no ecrã da televisão (SportTV), está aqui o essencial. A França já levou da Argentina, mas há muito jogo para rolar. A Portugal basta-lhe, nesta fase, ganhar à Escócia (fácil, fácil), à Itália (já está), à Roménia (vingaremos a derrota de 1996, por 92-0) e, evidentemente, à Nova Zelândia (vai ser uma lição de râguebi).










Ontem, poesia pura na vitória da Argentina. O herói dos Plumas, Ignacio Corleto, vai aparecer mais, espera-se que na companhia daquele grande ás, Felipe Contepomi (vejam-nos aqui). Yerba con alfajores, um bom presente para os franceses.

Já agora: nenhum dos canais de televisão em sinal aberto quis transmitir qualquer jogo da selecção. Ah, pátria do futebolinho.

[FJV]

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds