Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por FJV, em 31.12.06
||| Alberto Mussa.








Alberto Mussa é um dos escritores brasileiros que mais gosto de ler. De origem libanesa, Mussa publicou O Enigma de Qaf há uns anos no Brasil (ele é também autor de Elegbara e de O Trono da Rainha Jinga) -- acaba de ser lançado em Portugal nesta temporada de Natal. Não percam, é um romance muito belo:
«Era o estímulo para uma exegese alegórica. Spíridon analisou a cena: três pessoas em três cruzes, cada cruz com quatro extremos -- 3, 3 e 4: portanto, um triângulo iósceles de perímetro 10 e de altura menor que a bae -- signo da natureza humana. Altura menor que a base indica maior propensão à terra que ao céu. O valor do perímetro, 10, é o dobro de 5 -- que são os extremos do corpo físico. A qualidade de isósceles, ou seja, a de possuir dois lados iguais, representa o equilíbrio do Bem e do Mal.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 31.12.06
||| Vergonha de fim-de-ano.
Não falemos das grandes coisas por uns instantes. Mencionemos antes esta vergonha portuguesa em que se traduz o naufrágio da Nazaré. À vista da praia, à vista da terra, um a um, os tripulantes do navio foram sendo engolidos pelo mar. O Ministério da Defesa mandou proceder a um inquérito, mas pouco me interessam, agora, as responsabilidades e as pequenas culpas que hão-de ser distribuídas pelos Bombeiros de Pataias, pela Polícia Marítima, pela capitania do Porto da Nazaré ou pela Base Aérea do Montijo. Demorou hora e meia a chegar um helicóptero que poderia ter salvo aqueles homens. E isso é, sim, uma vergonha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 31.12.06
||| É só desejos.
A febre de desejar «bom Natal» e «bom Ano» atinge limites que ultrapassam a simples generosidade. Entre 22 e 25 de Dezembro foram enviadas 427 milhões de mensagens sms por telemóvel, em Portugal. Em Portugal. Repito: 427 milhões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 31.12.06
||| Arrumar a casa.
Está a passar na RTP-N, durante este fim-de-semana, a última emissão do Livro Aberto (uma conversa com Eduardo Pitta, Isabel Coutinho, Rui Tavares e Pedro Mexia sobre os livros do ano). Foram três anos e meio de emissões semanais, mudanças de horário e muitos autores entrevistados -- cerca de duzentos e cinquenta. Pessoalmente, sinto alguma tristeza, mas provavelmente ao fim de três anos e meio o Livro Aberto já tinha cumprido uma parte da sua missão. Era recordado no final de cada ano como «o magazine de livros», mas muitos editores continuavam a queixar-se de que «não existia um programa de livros» -- simplesmente, não o viam, dedicados que estavam à indústria da queixinha. Não interessa. Acabou mesmo. Passou por lá muita gente de que gostei bastante; muitos autores que descobri e que tive de ler; muita gente que foi uma surpresa; e muita gente que me ia adormecendo em estúdio, evidentemente. Não guardo ressentimentos por eventuais injustiças cometidas contra o programa (sobretudo por parte da imprensa, que às vezes se distraía), mas é chato ter de reconhecer que às vezes se fez um esforço (de produção, de leitura, de organização) nem sempre aproveitado. É quase sempre assim. Faço este género de programas desde 1995, primeiro com o Escrita em Dia, na SIC, depois com o Ler para Crer, na RTP, passando por outras experiências que não fizeram de mim «um homem da televisão» mas que me ajudaram a conversar com os outros. Sei, hoje, que entrevistar é, sobretudo, estudar os temas e saber ouvir «os outros», que são as figuras da entrevista -- para criar pontes e, às vezes, cumplicidades. E também criar armadilhas, evidentemente (é esse o jogo).
E chega.
Por isso, a partir de hoje acaba o blog Livro Aberto. O outro dos meus blogs que entretanto abandonei, o Gávea, será retomado para falar de livros e de literatura brasileira -- que me seduz cada vez mais. Por outro lado, continuarei a manter o programa de livros na Antena Um, o Escrita em Dia (quartas-feiras à meia-noite).

Estão disponíveis, para ouvir no computador, as últimas entrevistas na rádio com Alexandra Carita e Jorge Simão (sobre o livro Fados Nossos), Possidónio Cachapa (sobre o romance Rio da Glória), Eduardo Prado Coelho (sobre Nacional e Transmissível), Raul Miguel Rosado Fernandes (a autobiografia Memórias de um Rústico Erudito) e José Luís Peixoto (sobre o seu mais recente romance, Cemitério de Pianos)
[Os links levam a versões WMP; para versões em Mp3 e RealAudio, ver aqui.]

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 30.12.06
||| Parabéns.







Francisco Seixas da Costa, o nosso Embaixador em Brasília, acaba de inaugurar um blog de bastante utilidade: chama-se, pura & simplesmente, Embaixada de Portugal no Brasil, e destina-se a «fornecer curtas notas de actualidade sobre a realidade portuguesa ou luso-brasileira». Quem pretender receber actualizações do blog pode optar por contactar o endereço de correio electrónico e inscrever-se. Aí está um exemplo fantástico, fácil e económico, que seria bom existir em outras embaixadas. Parabéns, Francisco Seixas da Costa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 30.12.06
||| Desilusão.
Profunda e amarga desilusão. Acabei de ler o segundo volume das Confissões de José António Saraiva e não posso deixar de assinalar uma passagem que nos deixa, a todos, perplexos e desiludidos, tratando-se (o autor) de quem se trata: Saraiva diz que, depois de Saramago, não haverá nenhum Nobel para Portugal num futuro mais ou menos longo. Vem lá, preto no branco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 30.12.06
||| Saddam.
A barbárie da vingança e da justiça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 30.12.06
||| A ideia.
Os jardins de Inverno, no Abrupto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 30.12.06
||| Final de ano.
Há coisas que nunca se fazem no final de ano: promessas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 29.12.06
||| Maratona.
Vai começar a maratona: os melhores livros de 2006 terão direito a uma primeira emissão especial do Escrita em Dia, no dia 31 de Dezembro, às 19h00, na Antena Um. Depois, nas três quartas-feiras seguintes (à meia-noite), as emissões do Escrita em Dia serão também dedicadas ao tema. A lista definitiva dos dez melhores livros de ficção, não-ficção e poesia será anunciada no dia 25 de Janeiro. Até lá, vai poder votar nas listas de livros através de um blog ou de um endereço de mail. Novidades na próxima semana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 29.12.06
||| A coisa está preta.
Não apenas o PC acha que estou a exagerar acerca do Cartão Único, como a Fernanda Câncio, no DN (sem link para a sua crónica), diz que exorbitei em relação à minha «habitual sensatez». Compreendo as objecções do Pedro Caeiro, mas cá estaremos para ver. Quanto à Fernanda, o seguinte: quando eu menciono «ameaça policial», no artigo em causa, não vejo uma brigada da PSP a tratar do assunto -- mas consigo ver a mentalidade policial, controlando e vigiando. Também nesse caso, cá estaremos para ver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 25.12.06
||| A nostalgia da liberdade.
Daqui a uns anos, inclusive, o mundo estará cheio de nostálgicos da liberdade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 22.12.06
||| Deputados de quem?
É absolutamente lamentável que nenhum dos senhores deputados tenha manifestado dúvidas (para já não dizer perplexidade) sobre a ideia do cartão único de cidadão e a tenham aprovado por unanimidade como carneirinhos domesticados e alegres, contentes por serem «modernos». Lamento, meu caro António Costa, mas a ideia do cartão único, se «não é seguramente o 'big brother'», pode ajudar bastante. Sempre estive contra, creio que sempre estarei contra.
A ideia do "cartão único" merece ser discutida trata-se de um documento que vai substituir o Bilhete de Identidade e os cartões de identificação fiscal, de eleitor, de utente dos serviços de saúde e de beneficiário da Segurança Social, e que permite ainda registar informações pessoais relativas ao grupo sanguíneo, a indicações de alergias ou contactos do cidadão. A partir de agora, se essa ideia não for, como parece que é, declarada inconstitucional, cada cidadão terá um "chip" no bolso. Começa-se a controlar por algum lado. Dificilmente se acaba o desfile de coisas absurdas que acontecem depois.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 19.12.06
||| D. Sebastião.
Maria José Morgado foi festejada «em todos os quadrantes». Festejemo-la. Maria José Morgado falou do assunto durante meses e é natural que traga novidades à investigação e aos vários processos abrangidos pela triste designação de Apito Dourado. Mas, nesta como em outras coisas, estou com o Eduardo: não me impressionam muito as cargas de cavalaria, embora tenham um efeito arrasador em termos cénicos. Isso é uma coisa -- e outra coisa é, necessariamente, outra coisa. Também não me impressionam muito os fervores bibliómanos de procuradores. Mas lá iremos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 19.12.06
||| Juristas e pareceres.
Tal como no caso do Apito Dourado, lançam-se suspeitas acerca de pressões sobre os tribunais. É que eles podem estar mal aconselhados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 19.12.06
||| Escusava ter dito isto e outras coisas.
Quando encontras escrita a verdade acerca de ti, apetece nunca mais escrever.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 15.12.06
||| A TLEBS.
Confira aqui e assine um pedido para reconsiderar a TLEBS.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 15.12.06
||| Brasil. Maioria parlamentar.
Lula consegue apoio no congresso pela melhor das vias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 14.12.06
||| Bibliografia geral.













Avanço muito devagar na leitura de Estaline. A Corte do Czar Vermelho, de Simon S. Montefiore. Todas as noites leio cinquenta páginas. Há muitos nomes para decorar, muitos episódios para relembrar. E muitos números para anotar nas margens. E todas as noites Estaline mata cinquenta, sessenta mil pessoas. Eram as suas quotas de fuzilamentos, como um Plano Quinquenal. Raramente consigo dormir logo. Depois dos processos de Zinoviev e Kamenev e da morte de Kirov, há antigas amantes e velhos amigos, Velhos Bolcheviques, generais e técnicos de som que gravaram mal a voz do Chefe -- todos morrem. Há noites em que assisto a mais mortes. Crianças e famílias inteiras. Nada de sentimentalismo. Engenheiros de almas, regressai da tumba. Todas as noites o comunismo mata um pouco, arrasta-se como um cadáver entre cadáveres.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 14.12.06
||| Noções gerais de história literária.
Fui tomar café num bairro histórico de Lisboa e vi um dos autores do livro mais falado dos últimos dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 12.12.06
||| Princípios de crítica e história literária.
Antigamente, os negros escreviam as histórias por um preço razoável. Agora, os negros, ou escritores-fantasmas, mudaram de cor; o seu salário continua a ser razoável, mas nota-se à distância a mão que escreve.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 12.12.06
||| O cantinho do hooligan.









Não sei o que vos diga. Mas isto deve bastar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 12.12.06
||| Princípios de crítica literária e teoria da recepção.
Se o estatuto de arrependido começa a ser utilizado a torto e direito, trata-se de uma grande conquista: o autor enquanto sujeito inimputável é uma categoria interessante para a crítica literária.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 11.12.06
||| Estes prémios são saborosos.
O Paulo Moreiras (o autor de A Demanda de D. Fuas Bragatela e de Do Obscuro Ofício) merece a nossa admiração -- pela sua dedicação absoluta ao mundo da ginja (ah, voltemos a Óbidos...) e pelas sucessivas edições do Elogio da Ginja (fotografias de Paulo Cunha, edição Quid Novi). Agora, muito mais: recebeu dois prémios Gourmand para Best Single Subject Cookbook (Melhor Livro Temático de Gastronomia) e Best Cookbook Photography (Melhor Fotografia de Livro de Gastronomia), na categoria de livros portugueses, atribuídos por um júri internacional do Gourmand World Cookbook Awards 2006.
O Elogio da Ginja passa à fase seguinte do concurso, onde irá competir a nível internacional com os vencedores nestas categorias para o prémio The Best in the World.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 11.12.06
||| Pinochet.
Lentamente, os fantasmas da América Latina vão regressando ao mundo dos fantasmas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 11.12.06
||| Machismo.







Tens razão
, Filipe. As patrulheiras estão aí.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 11.12.06
||| José Bento.









Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura de 2006.

Novembro apagou nas buganvílias
seus nomes brancos, roxos, escarlates.
É mais difícil regressar a casa:
o caminho disfarçou, emudeceu
seu rosto nos muros e nas grades.
- Por onde seguiremos
sem que o outono espesso nos trespasse?

José Bento, Um Sossegado Silêncio, 2002

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 11.12.06
||| Para começar bem a semana.







O primeiro lugar honra sempre (Melhor Blogger 2006) e devemos agradecê-lo.

Obrigado ao Geração Rasca, que organizou a eleição, e aos votantes; parabéns aos outros blogs vencedores: aos amigos do Blasfémias (Melhor Blog e Melhor Blog Colectivo), ao Pedro (Melhor Blog Masculino), à Isabel (Melhor Blog Feminino) e ao Foram-se os Anéis (Melhor Blog Temático).

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 10.12.06
||| Brasil. O que aconteceria se.
«Em teoria, o Tribunal Superior Eleitoral pode provocar o maior terremoto político do país desde o impeachment do presidente Collor em 1992. Os técnicos da corte concluíram que empresas concessionárias do governo injetaram 90 milhões de reais na disputa eleitoral de outubro passado, o que é proibido por lei.» Vem na Veja de hoje.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.12.06
||| De facto, é o fim. [A TLEBS]













Leiam o texto de João Andrade Peres, magnífico e arrasador, publicado na edição de hoje da Actual, do Expresso (sem link). Depois deste artigo corajoso e ponderado (que não põe em causa a evidente necessidade de alterar a terminologia actual -- no que parece todos estarmos de acordo) não resta outro caminho, à Ministra da Educação, senão repensar muito seriamente tudo o que está a ser feito nesta matéria. Andrade Peres faz sugestões muito úteis (uma delas seria a de uma Terminologia da Disciplina de Português, por exemplo, para acabar com a guerra inócua entre Linguística & Literatura no Secundário), efectua uma separação das águas muito útil para que não se confunda a sua argumentação com a de alguns comentadores generalistas e ignorantes; salienta alguns aspectos positivos da terminologia; e desmonta passo a passo, ponto por ponto, a TLEBS. Em meu entender, é o fim da TLEBS (ver ainda o artigo de Jorge Morais Barbosa no JL). Seria uma vergonha se o Ministério permitisse a continuação do descalabro.

Ou podem consultar aqui uma versão mais alargada (é o site do próprio Prof. Andrade Peres, onde poderá também encontrar uma versão em pdf; aqui, sublinhados meus):

«Não,
a TLEBS deve ser rejeitada, antes de mais, porque cientificamente não merece crédito (quod est demonstrandum, obviamente). Adicionalmente, e dado o fim a que se destina a Terminologia, não é também despiciendo o facto de que, mesmo que ela tivesse mérito científico, se tornaria um objecto inútil por não ser servida por materiais de consulta sólidos, nomeadamente uma boa gramática do português de perspectiva inovadora, que não existe. Acresce ainda que a TLEBS é chocante pela sua insensatez no que respeita a extensão, pelo carácter abrupto (direi mesmo brutal) do seu modo de introdução (por oposição a um processo eventualmente faseado ao longo de anos) e pela insensibilidade que revela à importância da coesão inter-geracional, criando rupturas absolutamente inúteis.»

«[...] Em primeiro lugar,
alguns dos autores não são, de modo algum, as pessoas mais qualificadas do país nas suas áreas e estas não foram chamadas a dar o seu contributo crítico sobre o seu trabalho; em segundo lugar, alguns dos autores claramente excederam os limites das suas competências específicas, trabalhando sobre questões de que pouco ou nada entendem; finalmente, por mais elevada que pudesse ser a qualidade do trabalho realizado separadamente por oito entidades distintas (nuns casos, indivíduos, noutros grupos), só por milagre a conjugação dessas peças autónomas no todo da TLEBS poderia ter resultado em algo de coeso e consistente, quando nem uma única vez essas diferentes entidades trabalharam em conjunto para articular a nova terminologia para o ensino do português.»

«
Infelizmente, os aspectos negativos são bem mais abundantes. Dividi-los-ei em três tipos: (i) deficiências metodológicas, (ii) erros de formulação e (iii) erros conceptuais.»

«
Erros de formulação: Incluo nesta parte da minha exposição uma série de dislates que não quero imaginar que os autores assumam, se pensarem. Prefiro admitir (sem grande convicção, em alguns casos) que foram erros de formulação que não detectaram, sob as várias pressões que sempre nos atormentam. Quer isto dizer que, se assim tiver sido, eu compreenderei, mas nem assim desculpo: nem a incúria dos autores nem a fragilidade do sistema de produção da TLEBS, que nada foi capaz de filtrar.»

«[...] Lamento dizer que os comentários que aqui expendi (com a ironia que, para mim, quadra bem com tudo o que é tragicómico) mais não representam do que – acentuo bem –
uma pálida amostra do muito mais que há para dizer de negativo acerca da TLEBS, nuns casos por manifesta insuficiência ou incorrecção da informação dada, noutros por uma estreita visão do objectivo a atingir, a que faltou um rasgo de coragem para as inovações e as rupturas fundamentadas que se impunham. Apesar disso, eu quero muito não perder mais tempo com a TLEBS, ou, dito de outro modo, não quero gastar mais cera com tão ruim defunto. Só o farei se a isso me sentir obrigado (sans rancune, pois estará a rodear as reais questões quem pensar em conflitos pessoais).»

«[...] não tenho dúvidas em declarar publicamente, com plena convicção e sentido da responsabilidade que assumo, que, independentemente das partes válidas que a TLEBS contém, o conjunto que abrange a Morfologia, as Classes de Palavras, a Sintaxe, a Semântica Lexical e a Semântica Frásica – que constitui precisamente o cerne do sistema linguístico –
apresenta deficiências e lacunas de uma gravidade tal que fazem desta terminologia, tomada na sua globalidade, um objecto que não merece crédito científico, que envergonha a Linguística portuguesa e o próprio país e que não se entende como pode estar a ser introduzido no sistema de ensino. Se alguém tivesse como objectivo contribuir para tornar o ensino do português algo de odioso para os alunos, não poderia ter dado melhor ajuda.»

«
Seria interessante saber quanto já despendeu o Estado com toda esta barafunda: com autores, gabinete de apoio, materiais, deslocações, acções de formação realizadas e a realizar, etc. Note-se que não estou a dizer que o erário público não deve suportar despesas desta natureza e com os fins em causa, mas apenas a deixar implícito que tem de o fazer com critério, não esbanjando o dinheiro dos contribuintes em inutilidades, como é o caso.»

«
A falta de qualidade científica da TLEBS, aliada a uma clara ausência de sentido da realidade no que respeita tanto a professores como a alunos, faz desta Terminologia uma verdadeira calamidade que se abate sobre as escolas do país. Em conformidade, é como cidadão e como linguista que daqui apelo à Senhora Ministra da Educação no sentido de travar o insano processo já iniciado de experimentação da TLEBS. Em nome do rigor e da qualidade científica e a bem do ensino da língua portuguesa, peço-lhe instantemente que, corrigindo erros de Governos anteriores, suspenda a sua aplicação e nomeie de imediato uma comissão de peritos que faça o ponto da situação.»

«Não disse alguém que a guerra era séria de mais para ser deixada só aos militares? Pois bem, a terminologia com que todos falaremos sobre a língua que em parte nos identifica talvez mereça preocupação análoga. O que não pode acontecer é, como parece ser o caso, estar a TLEBS a ser revista pelo grupo a quem foi confiada e que já mostrou do que é capaz. Pelo menos alguns dos seus membros revelaram à saciedade não ser idóneos para continuar ligados a este processo e seria um escândalo nacional que nele se mantivessem.
Depois do que fizeram, não podem pedir que os deixem trabalhar, como se nada tivesse acontecido, devem antes saber retirar-se de cena com dignidade e discrição, assumindo que erros todos podem cometer.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3




Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds