Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por FJV, em 08.11.06
||| Chegou a hora da minha confissão.
É a frase de Saramago para dizer que também pertenceu à Mocidade Portuguesa. Ora bolas. Trata-se da entrevista no Estadão sobre a sua autobiografia. O Tomás pergunta-se: e a passagem pelo DN?

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Madeira.
Declaração de interesses: não gosto de Alberto João Jardim. Um tribunal funchalense condenou-me a pagar a Jardim a mais alta indemnização (na época e creio que ainda hoje) por abuso de liberdade de imprensa. Recorri -- e do recurso resultou um puxão de orelhas ao tribunal, que foi obrigado a repetir o julgamento e com outro juiz. Guardo boas memórias desse julgamento e da sentença anedótica e estapafúrdia que me condenou transitoriamente. Espero que tenham saboreado a resposta porque, entretanto, Jardim deixou prescrever o processo -- enquanto eu tive de pagar despesas e deslocações para minha ilustração particular nos tribunais da ilha. Dito isto, o seguinte: também é fácil acometer contra o cavalheiro e contra os seus gastos, as suas paranóias e os espectáculos confrangedores que oferece todos os anos no Chão da Lagoa ou nas visitas às freguesias. Verdade seja dita que escrevi o suficiente sobre isso, sobretudo depois do processo, para que não ficasse a pairar a ideia de que me tinham calado. Sendo fácil reduzir o cavalheiro àquela docilidade, convém que se diga outra verdade, caro João: é que ninguém teve coragem, até agora, de dizer à Quinta Vigia que as leis orçamentais são leis orçamentais e que a vida é difícil para todos. No que concordamos é que a Madeira é outra coisa passados estes anos de jardinismo; e é melhor para todos, madeirenses (claro) e continentais (que não passam pela vergonha de manter uma ilha reduzida à condição de colónia miseravel, o que teria acontecido se Jardim não tivesse abusado do orçamento). O essencial é isto: Jardim merece passar pelos infortúnios actuais, mas não vale a pena empertigarem-se tanto só por ver o cavalheiro dobrado desta forma. Nisso tem razão, João.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Fernando.
Um amigo está nos cuidados intensivos do Hospital de S. José. Na antecâmara do coma, solta-se e regressa à vida. Telefonemas, perguntas, interrogações, estupefacção. Passa para os cuidados intermédios, que ele merece, ele merece tudo. Mas a preocupação é a mesma, e o receio. E, de súbito, aliviado pela recuperação, chega um sms de outro grande amigo preocupado: «Ele está melhor e quis saber coisas do Benfica. Não sei se é bom sinal mas enfim.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Banca. [Actualizado]
João Salgueiro, presidente da Associação Portuguesa de Bancos, e Teixeira dos Santos, ministro das Finanças, acusam-se de peronistas e de arrogantes. Vamos e venhamos: são acusações fáceis. A banca e o governo sabem que é fácil acusar os bancos de ter uma atitude sabichona face ao fisco, às operações off shore e aos relatórios & contas; o governo e a banca sabem que uma perseguiçãozinha pública aos bancos cai bem no vasto mundo dos consumidores endividados à banca, cheios de crédito à habitação e de crédito pessoal mal parado. Depois das seguradoras, os bancos são outra bête noir do consumidor peronista ou populista. E há sempre essa «realidade» praticamente adquirida por todos: o público está endividado «mas os lucros da banca crescem» (versão Manuel Alegre e Francisco Louçã). Explicado assim às criancinhas, qualquer peronista tem o caminho aberto para perseguir a banca. Desta vez, porém, quer no «arredondamento dos juros», quer no «desconto dos cheques», quer nas despesas com operações financeiras, a associação dos bancos explicou-se bem: quem paga é o consumidor. Está certo. Ou seja, João Salgueiro «ameaçou que o sector poderá agravar o preço do dinheiro», o que -- lido assim -- é chantagem pura e simples. Contra quem? Daí a interrogação do liberal à moda antiga: e o indivíduo, o cidadão, vá lá? Quem vai pagar o que «não era para ser pago por nós» mas que sabíamos que era pago por nós?


Comentário de Mesquita Alves:
«A propósito desta polémica sobre os lucros da banca, há alguns aspectos, que na minha opinião merecem reflexão ponderada mas urgente:
Um cheque depositado na sua conta, se o mesmo tiver provisão, só terá o dinheiro disponível na sua conta 3,5 dias depois. Com a evolução que a informática da banca (excelente) tem tido (e o multibanco comprova-o) este lapso de tempo é inadmissível, e prejudica objectivamente empresas e particulares. É que, no dia seguinte de manhã, o dinheiro sai da conta de quem emitiu o cheque... Sou partidário da livre concorrência, mas esta não pode ter entraves desonestos. Assim, se eu achar caro o meu empréstimo à habitação e quiser passar para outro banco mais barato, sou confrontado com uma cláusula em letras pequeninas que me informa que a amortização antecipada é penalizada com uma taxa (difere entre bancos) que vai dos 3 aos 6% sobre o total do capital em dívida do empréstimo. O problema é que há uma concentração entre todos os bancos com esta cláusula, e eu não posso escolher um ou dois bancos que não a tenham. Feitas as contas, fica-me mais caro trocar de banco e obter a melhor taxa do banco mais barato. Lá se vai o mercado livre... enfim, a livre concorrência.
Outro aspecto que é extremamente nocivo e muito pouco ético, tem a ver com publicidade de spread de 0.75% (p ex) que vem na imprensa, e no dia que vai assinar o contrato (e com responsabilidades contratuais já assumidas perante terceiros, logo em situação de dependência), vê-se confrontado com um spread de 4 ou 5%, mas que baixa para 0,75% se cumprir uma serie de requesitos tipo ter ALD, seguros PPR, etc, etc, etc.
Ora se alguém, sem o querer, ficar desempregado (p.ex.), além da consequência financeira de tal situação, vê-se confrontado com a possibilidade de a sua prestação subir em flecha, porque devido a que a situação inesperada e desesperada, não o possibilitar a ter o tal ALD, PPR etc etc.»
A obrigatoriedade do seguro de vida é algo que num casal com 45 anos custa o equivalente a 8% do total das prestações pagas durante um ano. Tendo em conta que no empréstimo à habitação existe uma garantia real e inequívoca não será excessivo que toda a banca faça esta exigência? Não será desproporcionada?
Se eu, empresário, vender madeira, aço ou o que for, e no montante que for, recebo conforme o acordado a 30, 60 dias, etc., sem seguro de vida nem garantias reais. Por que carga de água a actividade bancária tem garantias francamente superiores ao resto das actividades? Obviamente que a hipoteca é imprescindível -- mas mais, porquê? É que, como se sabe, os seguros de vida são os mais rentáveis da actividade bancária e seguradora, e esta minha preocupação tem a ver com o facto de nos próximos 2/3 anos milhares de familias de vários escalões sociais irem sofrer muito devido ao aumento das taxas de juro, com o seguro de vida ainda a agravar a situação.
Se eu vender 20 toneladas de aço ao "Joaquim, Lda.", novo cliente que conquistei ontem, entrego-lhe a mercadoria e, se deus quiser, receberei no prazo acordado. Por que diabo é que nem eu nem milhares de empresários de qualquer outra actividade não cobramos despesas de dossier, os kms que fez o seu vendedor, avaliação do aço ou elaboração do dossiê para abertura de conta corrente? Por que motivo, para mim nunca explicado, a actividade bancária é a única que o faz, e está legalmente autorizada a fazê-lo? O grave problema é que todos os bancos o fazem, e portanto, não posso, ao abrigo da livre concorrência, escolher o melhor entre meia dúzia que não o façam. O problema dos ajustes ao 1/8 de ponto está hoje na ordem do dia, e ainda bem, mas penso que aqueles 5 problemas acima descritos são de urgente resolução.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Ler, 6.
Mails de amigos e leitores perguntam de que livro se trata. Apostamos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Ler, 5.
Ao longo do livro quero que M. se apaixone por B. (ou até por Lilibeth, como substituta), o que revela o carácter pueril do leitor. Isso acontecerá no final, sim -- mas como pode M. suportar a presença de B. Bronstein e de Ada, e das mulheres de Arquelau? É por isso que este livro é uma grande traição, uma traição permanente, uma armadilha constante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
|||Festival Todos os Mares / Todos los Mares.

Hoje, os poetas são Luís Quintais, Ana Luísa Amaral, Luis Alberto de Cuenca e Andrés Sánchez Robayna. Organização da Casa Fernando Pessoa e do Instituto Cervantes -- no Cervantes, às 18h30.
Quinta, no Cervantes (18h30): Maria do Rosário Pedreira, Manuel António Pina, Eugenio Montejo e Luis Muñoz. Na Casa Fernando Pessoa, às 21h30: Nuno Júdice, Gastão Cruz, María Victoria Atencia, Pere Rovira.
Na sexta, às 18h30, no Cervantes: António Osório, Rosa Alice Branco, Eloy Sánchez Rosillo e Darío Jaramillo Agudelo.

Programa completo aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| VPV.
Vasco Pulido Valente hoje no Pessoal e Transmissível, de Carlos Vaz Marques, na TSF.

VPV e as memórias
VPV e as memórias....
Hosted by eSnips

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Por falar em comida.
Por falar em comida, exactamente, e se alguém quiser aprender a cozinhar camarões no forno à moda de Lourenço Marques, polenta, esparregado, risoto de espargos verdes e cogumelos, arroz de entrecosto com pimentos e açafrão ou simples bolinhos de bacalhau, é só clicar aqui, no A Cozinha da Joana.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Rhode Island.
Onésimo, meu caro: Lincoln Chafee perdeu a eleição. Tu já sabias. Contra um homem chamado Sheldon Whitehouse não havia hipótese.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Guerra a sério.
Está aí uma guerra a sério entre o Rui e o LR. Sobre cozinha brasileira. Eu, que não aprecio grandemente a cozinha baiana (ah, e se sei do que falo depois de dois anos alimentado a azeite de dendê, acarajés, paçocas, vatapás, abarás, e outros sublimes horrores -- a Bahia é, provavelmente, junto com quase todo o Nordeste, a região do mundo que mais maltrata a comida), recomendo ao Rui exemplos de boa cozinha gaúcha, catarinense e paulista. Especialmente a do sul, portanto. E São Paulo, na verdade, tem dos melhores restaurantes que o nosso bolso pode pagar. Florianópolis tem boa comida. Porto Alegre tem muito bons restaurantes. Até em Salvador (mas também em Itacaré, Trancoso, etc.) há, curiosamente, dois ou três bons restaurantes de peixe. E dou lista geral.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.11.06
||| Mudar de vida?
Não só mudar de vida, caro Paulo. Falamos do PSD: mudar de sentido, mudar de pessoas e mudar, finalmente.

Na verdade, eles não aprendem nem têm vergonha: «A oposição formal, alegrada por congressos e por frases fatais, ain­da não percebeu o que a levou a tor­nar-se irrelevante para tudo o que seja o debate sobre o futuro do país, sobre o papel do Estado na socie­dade e na economia, sobre as no­vas realidades culturais, sobre o sentido que tem a política portuguesa na Europa de hoje. Mas ex­plica-se facilmente: preguiça e baronatos. Foi isso que matou a Di­reita antes, durante os seus gover­nos. É isso que ameaça liquidá-la agora, por alguns anos. Essa irrelevância vai custar caro ao país.»

Actualização:
Paulo Gorjão acrescenta mais dados.
</span>

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds