Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por FJV, em 08.07.06
||| Figo.











E Figo entrou no final a fazer o passe para Nuno Gomes (por momentos ainda temi que o casmurro metesse Postiga): barba por fazer, arrancado à sesta, despenteado, quase estremunhado, lá foram buscá-lo para tentar fazer alguma coisa. E ele fez. Figo, como Ronaldo, é a prova de que não vão conseguir impor aquele futebol sem arte, sem imaginação e sem originalidade (o da Inglaterra, por exemplo). Pode haver “espírito de grupo” (como os peregrinos à Santa), “união no grupo de trabalho” (como se fosse uma comissão excursionista) e até burrice promovida a estratégia ganhadora – mas sem talento não há golos. Por isso foram arrancar Figo ao divã: porque, a dez minutos do fim, precisavam de futebol. Apesar de haver gente satisfeita por ver equipas bípedes transformadas em quadrúpedes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 08.07.06
||| Ah, não.
«É bom que toda esta energia possa ser canalizada para outros campeonatos. Toda esta energia positiva deve ser mobilizada para o reforço do nosso desenvolvimento e das nossas capacidades. Tudo isto é muito importante para o país.» Há pessoas que não deviam ir ao futebol. Não havia necessidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds