Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por FJV, em 18.05.06
||| Aniversários.
O do Almocreve das Petas, naturalmente -- uma referência na blogosfera; o Crítico Musical, do Henrique; e o Bichos Carpinteiros, com certeza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 18.05.06
||| Scolari, 2.
Eu não queria perder tempo com comentários imbecis ao meu post anterior sobre Scolari, sobretudo com aqueles que insistem sempre no mesmo -- que eu escrevi o que escrevi porque Felipão não convocou jogadores do FC Porto. Dizer o seguinte, e rapidamente: 1) ainda os meninos andavam a discutir se o treinador da selecção devia ser Toni ou Manuel José, e eu já conhecia o trabalho de Scolari, porque era treinador do Grêmio, para onde levou Jardel, arrancado ao banco do Vasco; 2) ao contrário de muitos jornalistas de secretária e mesa de almoço «com o pessoal», orgulho-me de ter escrito uma boa história sobre a «vida & obra» de Scolari, publicada na defunta Grande Reportagem no dia do infeliz jogo inaugural de Portugal com a Grécia -- para ela falei com jornalistas, técnicos, jogadores, comentadores de futebol do Brasil (de Salvador a Pelotas) e até com amigos de Felipão; portanto, sobre ele já disse o que tinha a dizer: é um tipo duro, pouco de gargalhadas mas leal e cómico, sovina, sério em questões de trabalho, pouco influenciável pelo pessoal da imprensa e dos grandes clubes -- um exemplar da colónia italiana de Passo Fundo e de Caxias do Sul (para os meus amigos brasileiros, isso explica muito; para os que não sabem o que isso é, leiam a biografia do Grêmio, escrita por Eduardo Bueno, o Peninha, para perceberem o que é «a técnica do joelhaço e cotovelaço» aplicada aos vários domínios da existência); 3) sim, Scolari é futebolisticamente burro; foi-o nesse infeliz jogo inaugural de Portugal com a Grécia, depois do qual foi obrigado a mudar toda a linha da equipa e a afastar as meninas da moda; foi-o ligeiramente no jogo com a Inglaterra, que ganhámos nos penalties e onde nasceu o mito Ricardo; foi-o, finalmente, no jogo de despedida com a Grécia, em que a Grécia jogou à Scolari e Scolari resolveu reabilitar as meninas outra vez; e está a sê-lo de novo, levado por ressentimentos vários e por alguma teimosia -- se a teimosia é um bom motivo, o ressentimento é o pior de todos; 4) um homem futebolisticamente burro não é um mau gestor de equipas de futebol e até pode ganhar campeonatos e bons títulos; no caso de Scolari, é também um teimoso com uma grande capacidade de lidar com questões de balneário e de afrontar os inimigos organizados (como fez em São Paulo durante o tempo do Palmeiras, ou durante a campanha do Japão/Coreia); 5) Scolari não gosta de futebol-arte (que é coisa de veado, como se sabe), e isso pode ser uma vantagem para quem acha que o fundamental é ganhar; na verdade, o futebol também é «vai buscar!», mas pode haver quem goste de ver jogar bem; 6) nunca foi guerra minha a convocação de Vitor Baía, nem a de Quaresma é; mas acho que temos direito a ver Quaresma a jogar na selecção principal em vez de algumas das meninas que andam por lá.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds