Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



...

por FJV, em 05.05.06
||| O melhor comentário do ano.



























Um comentário a um post anterior : «Ó homem, você tem de pôr aqui umas gajas nuas pra animar isto!» Agradecido.

[Kristin Scott Thomas, Monica Belluci, Meg Ryan, Alicia Witt e Emmanuelle Béart]

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 05.05.06
||| Estado em todo o lado. Dois em um.
1. Onde o Estado pode não fazer falta, ele aparece. O VLX chama a atenção para a resolução de conflitos laborais, que «vão passar a ser resolvidos por mediação, dispensando-se a intervenção dos Tribunais. Um terceiro, mediador, supostamente imparcial mas necessariamente indicado pelo Governo, irá resolver toda situação». Evidentemente que ainda não está esclarecido o que vai acontecer quando uma das partes do conflito for o Estado, ou o Governo.

2. No final do post, o Vasco escreve que «a oposição limita-se a escarafunchar o umbigo e a assobiar para o lado; e o país em geral assiste impávido, sereno, calado e estúpido». Esta ideia do país impávido lembra-me o desacato da polícia a entrar em Camarate, armada para revolver o bairro à cata de armas ilegais, e dos resultados chinfrins dessa busca anunciada pelas rádios, acompanhada pelas televisões. O país assistiu impávido porque quer segurança nas ruas e tranquilidade nos bairros, claro; é um direito constitucional e um desejo fundamental. Mas, dada a fraca colheita de armas ilegais ou legais realizada, podemos dizer que a invasão foi apenas aparato para as televisões e desacato para os moradores. Não vimos protestos capazes por parte da esquerda (nem sequer murmúrios por parte da direita). Os cidadãos de Camarate são menos do que os outros, ou os direitos dos cidadãos são para serem avaliados caso a caso? Será por haver muitos pretos e brasileiros lá? Ou a polícia não pode vigiar e investigar antes de actuar para as câmaras de televisão? Mas, seja como for, eu, que quero o Estado na Cova da Moura, em Camarate, onde for, quero que seja um Estado decente, sem espectáculo. Que não se meta onde de não deve e que apareça capaz onde deve estar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 05.05.06
||| Revista de blogs. Indirectas.
«O dr. Marques Mendes vai vencer o vento. Indirectamente, isto significa que daqui a dois anos não o vai ter pelas costas.»
{Filipe Nunes Vicente, no Mar Salgado.}

Autoria e outros dados (tags, etc)

...

por FJV, em 05.05.06
||| Maringá.
Sim, a iniciativa da Câmara de Vila de Rei é muito positiva. Limitou-se a trazer quatro famílias brasileiras (14 imigrantes) de Maringá (Paraná) para um concelho desertificado e envelhecido. Há quem afirme que «se fossem dadas as mesmas condições a outras pessoas [portuguesas] desempregadas, elas vinham para cá». Admito, mas desconfio que aceitem o desafio. Vila de Rei e outros municípios já tinham feito experiência semelhante há anos, premiando portugueses que quisessem fixar-se no concelho. E, durante o governo Guterres, a ministra Elisa Ferreira tinha legislado nesse sentido: benefícios fiscais, de resto ridiculamente baixos, para quem quisesse criar empresas no interior, esse território rodeado de IPs e auto-estradas que vão sempre no sentido de Lisboa.
Acredito que o interior, seja lá o que isso for, só poderá mudar com outras pessoas. Foi assim com os retornados portugueses que vieram de África -- que mudaram o Nordeste e parte da Beira, empurrados pela necessidade e favorecidos pelo seu talento. Foi assim em outros países.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Blog anterior

Aviz 2003>2005


subscrever feeds