Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por FJV, em 17.11.07
||| A quem possa interessar.
Caríssimo Dr. José Alberto Azeredo Lopes: li esta notícia e creio dever informar essa Entidade que neste blog não há «conteúdos sujeitos a tratamento editorial» e que, como tenho escrito, os «conteúdos» não estão «organizados como um todo coerente», coisas que me permitem escapar à superior vigilância da Entidade. Mesmo assim, nunca se sabe. Sendo verdade que os socialistas italianos (ou assemelhados) já criaram mecanismos para morigerar a blogosfera (obrigando os blogs a um registo, ao pagamento de uma taxa e a obter um alvará), espero que os socialistas portugueses (ou assemelhados) não caiam na esparrela. Ao contrário de outros «meios», este blog não tem agenda, não tem editor sempre responsável, e não costuma insultar ninguém. Uns atropelos, vá lá. Mas nada de especial. Asseguro o direito de resposta a toda a gente, desde que me respondam sem muitos advérbios. Falo de sexo apenas o indispensável, a política deixa-me desamparado e desiludido («desiludido» é uma maneira de dizer), a literatura ainda não é muito ofensiva, e não publico fotografias de cidadãos que não querem ser fotografados. Desde que o Dr. Soares mencionou o «direito à indignação» tenho, repetidas vezes, tentado insultar o aeroporto de Lisboa, a estação do Oriente, o Sport Lisboa e Benfica (ou os repolhos do meu clube de estimação), o seleccionador nacional, os táxis no aeroporto de Lisboa, o mandatario Hugo Chávez, a Asae, o Jornal da Região, os inimigos do Dr. Pinto Monteiro ou -- uma vez por outra, mas sem grande impertinência -- essa Entidade. Todos somos injustos, é o que é. Portanto, isto não é um site. Assino com o meu nome. Não tenho nenhum blog anónimo. Quem quer responder-me, responde, mas não me parece que seja necessário invocar os códigos. O senhor diz que «não há, ainda, um plano de acção elaborado», e espero que tenha em conta estas observações. Mas nunca se sabe. Em Itália, a esquerda achou que devia disciplinar os blogs, e isso, como se viu, dá má reputação. O senhor procurador-geral acha que os blogs são uma porcaria, e o senhor primeiro-ministro também partilha a opinião. Não me parece verdade, porque há blogs muito bons. Há blogs onde se escreve muito melhor do que nos sites oficiais do Estado português, e que são muito mais úteis (eu forneço uma lista, sempre pronto a delatar). A Dra. Margarida Moreira (lembra-se dela?) vigia os blogs e anota tudo o que eles escrevem sobre o seu magistério moral e político, para quando chegar o dia. Os blogs não têm poder nenhum, os blogs têm muito poder; o senhor, que é um académico muito respeitável, pode escolher qual das afirmações é verdadeira. Existem, naturalmente, blogs de sarjeta, tal como existem políticos de valeta. A vida é muito injusta nesta matéria.
A questão é que «todas as pessoas que sintam violados os seus direitos de expressão em sítios da Internet que cumpram uma função de veículo de comunicação pública possam ver as suas queixas atendidas pelo Conselho Regulador». Eu, que assino este blog, preferia poupar-lhe o trabalho, e pedir aos ofendidos que recorram aos tribunais civis. Como sabe, a lei geral é suficiente. Veja o que acontece com o o futebol, com os seus tribunais especiais, as suas leis particulares, os seus desembargadores de aluguer, os seus juízes descredibilizados: ninguém confia. Não queira o senhor passar -- injustamente, é certo -- por ser um desses desembargadores da Federação de futebol, como se houvesse um Estado dentro de um Estado.
Nós, nos blogs, geralmente exageramos muito. De uma coisa de nada fazemos (falo por mim) uma tempestade, de coisa nenhuma fazemos um carnaval.
Portanto, se a TAP ou o aeroporto se queixarem do que escrevi sobre aquela coisa miserável que é o Terminal 2, ou se os superlativos talentos da Expo 98 se queixarem do que disse sobre aquela coisa grotesca e desagradável que é a Estação de Oriente (são dois exemplos recentes), diga-lhes, por favor, que me enviem um email. Basta isso. É um mimo.
[FJV]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:


12 comentários

Sem imagem de perfil

De patio a 20.11.2007 às 11:49

Como o João, espero não ofender ninguém mas o link no vilaforte.blog.com, já lá mora!
pedro oliveira
Sem imagem de perfil

De joao a 19.11.2007 às 23:54

Espero n�o ofender a Entidade Reguladora nem o autor do blog, mas n�o resisti a divulgar o texto por correio electr�nico
Sem imagem de perfil

De JPG a 18.11.2007 às 20:28

magnohlia said...
Afinal a esquerda italiana morigerou ou não? Gostava de saber.
6:04 PM


Não, não morigerou. Era para morigerar, mas não morigerou. Alguns adeptos mais empedernidos da morigeração bem tentaram, um até disse que "sim, senhor, eu cá morigero essa coisada toda, e estou-me nas tintas para se tu morigeras ou não", mas de facto népia, ainda não foi desta. Quem saiu morigerada, disto tudo, foi a própria proposta de morigeração.
Uma maçada.
Sem imagem de perfil

De FNV a 18.11.2007 às 19:06

Obviamente, demitia-me.
Um abraço para ti tipo Stepanov.;
Sem imagem de perfil

De magnohlia a 18.11.2007 às 18:04

Afinal a esquerda italiana morigerou ou não? Gostava de saber.
Sem imagem de perfil

De David Oliveira a 18.11.2007 às 17:17

FJV,
deu para sorrir! rir não que ando sem grande vontade nem motivo mas enfim...
eu sou um ingénuo, um inocente, tenho andado para aqui a dar cabo das meninges. Sendo verdade, verdadinha, que os blogs, os bloggers, essa tralha toda que ando por aí ou aqui a poluir a atmosfera são assim tão pouco importantes porque tem andado tão insistente e sistematicamente essa «gente» preocupada com eles? porque será? Já sei!( e não é assim tão pouco importante como possa parecer... é que são muitos)cada bolgs «de sarjeta» ou «de valeta» como queiram - vale pelo menos o voto dele e, às tantas, mais umas tantas influências... é mau (para eles). A não ser que de seguida retirem o direito de voto a quem editou/editava um desses blogs.
Agora um pouquito mais a sério. O senhor que, o FJV trata por/ de caríssimo, distinto e nobilitado académico, ex-comentador... da praça, ainda não percebeu - é pena!- é o que é ser ridículo.
Diga-lhe que se eu o quisesse ofender, chamando nomes feios a ele ou a alguém da família dele muito próxima, sem sofrer consequências, arranjava um IP fora do país, em outro continente, enviava a um amigo meu o email com o texto e ele, lá, postava como, quando e sempre que eu quisesse.
Para o bem e para o mal esta onda é imparável. Por vezes custa mas o que querem?
Cumprimentos
David Oliveira
Sem imagem de perfil

De Gavião dos Mares a 17.11.2007 às 18:56

leio-lhe os livros, copio-lhe as receitas, comungo dos seus desamores pedíbolas... enfim acho-lhe piada.
Continue,
Se fôr preciso peditório, abaixo-assinado, passeata, arruaça... conte comigo!!!
Sem imagem de perfil

De Alda M. Maia a 17.11.2007 às 18:38

Queira perdoar, se me permito uma correcção: a coligação de centro-esquerda que forma o Governo italiano não criou quaisquer "mecanismos para morigerar a blogosfera". Se houve essa ideia, no que concerne os bolgues, foi posta de parte.
Sem imagem de perfil

De PmCDP a 17.11.2007 às 17:21

Isto já começa a enfadar-me o espírito. O pior é que se algum dia me quiserem entrevar o blog, a situação ainda chega aos jornais (se calhar a única forma de ser lido por mais de duas pessoas), vou a tribunal,e depois tenho que explicar à minha mãe, não o processo de tribunal, mas por que raio é que utilizei tantas vezes a palvra "foda-se" num sítio para ser lido por quem quiser. "Olha a tua sobrinha filho! E se ela um dia lê isso?"
Sem imagem de perfil

De CristinaGS a 17.11.2007 às 15:24

Boa tarde FJV,

Coitados! Melhor será deixá-los com os seus pruridos de trazer por casa. Fecho os olhos e chegam-me como néons as palavras de Alexandre O’Neill. Sarcásticas, certeiras.
“- Neste país em diminuitivo**…
- Respeitinho é que é preciso”

In, Poemas com endereço, Morais Editora, 1962

Comentar post


Pág. 1/2




Blog anterior

Aviz 2003>2005