Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



...

por FJV, em 06.02.06
||| Liberdade de expressão, 5.




















Há, evidentemente, uma resposta diplomática ao problema dos cartoons. E há, com uma ponderação sinistra, o debate deontológico (valia a pena publicar os cartoons?, os cartoons são maus?, os cartoons são bons?, há uma responsabilidade da imprensa no «uso da liberdade»?). E há outro debate em que as coisas não estão a ser ditas com clareza: o mundo em que a liberdade era um valor essencial está a chegar ao fim? Há por aí muitos apelos ao sacrifício em nome da ortodoxia religiosa, da conveniência do petróleo e da política real, dos negócios dinamarqueses, da equivalência moral, do direito à indignação muçulmana, da intocabilidade dos novos e dos velhos párias. Mas sobretudo, mesmo sem falar dos cartoons (que são uma merda, sim, mas que cuja taxa ofensiva é mínima), um apelo ao respeitinho. Ao respeitinho e ao controle. À vigilância, à punição e à censura do delito de opinião, à «contenção verbal e discursiva». Outros valores estão em causa: «Não nos incomodem com essa treta da liberdade.»
Não sei se estão a ver. O presidente Sampaio apelou claramente à denúncia, à delação e à espionagem sobre os cidadãos em nome do Fisco e ninguém protestou contra a inversão do ónus da prova. Vasco Pulido Valente dizia que não tinha visto um único sinal de desagrado acerca do «cartão de cidadão» que o governo quer impor (por acaso, que me lembre, fui um dos que escrevi contra a ideia) e de que, há tempos, ouvi José Lello (na TSF) tecer elogios ditirâmbicos como uma das grandes contribuições de Portugal para a modernidade. O primeiro-ministro afirma, ao Expresso, que a liberdade, no fim de contas, é prejudicial ao género humano, no que é seguido por bispos e outros pensadores delicados que se perguntam sobre se valeu a pena publicar os cartoons tendo em conta as consequências no mundo islâmico. Uma série de pessoas, para evitar falar do tema, lembra casos de censura cometidos «no Ocidente» contra os quais todos protestámos -- para que não se moleste agora a tranquilidade de Finsbury Park. Em Inglaterra, o sistema de saúde pode enviar funcionários a casa, para verificar se as pessoas estão a fumar. As escutas telefónicas são o lamaçal que se sabe e parece que não são apenas as «figuras públicas» que estão no alvo. Pouca gente se perguntou sobre o que custará, à nossa liberdade, o vasto número de acordos assinados com a Microsoft por parte do Estado português.
Estranhos sinais no ar. Há muita gente a pedir respeitinho; e agora não é só na humidade das sacristias ou dos gabinetes: é nos «fóruns» das rádios, nas «cartas dos leitores» e outras vigílias cívicas. O respeitinho, primeiro. Depois, o catálogo de pecados, de violações da decência e a lista das más companhias. Depois, vigorará apenas um sistema informático. Virá então a proibição de fumar, de beber e de escrever sobre religião. Uma comissão parlamentar há-de criar uma gramática do «politicamente permitido» para que nenhuma palavra ofenda o respeitinho das corporações ideológicas, profissionais e clericais. Vigiarão as anedotas e o riso. Tudo em nome dos valores. Estamos lixados com estes valores, estamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De * a 07.02.2006 às 15:36

Estou completamente consigo. É uma vergonha o que se está a passar. E são os mesmos tretas que carregam a bandeira do 25 de Abril, sempre de cravo na lapela, agora juntos com a mais retrógada igreja (católicas e outras) e obscuros interesses. Tudo fanáticos e tontos, e mais os chico-espertos. Patetas, andam a comer-nos as papas na cabeça. Devagarinho, devagarinho. Em Portugal há muito que já é assim, ou melhor, nunca deixou de ser assim. Por cá também há os intocáveis, donos disto, do país. De que nos admiramos? Temos é de lhes fazer frente.
Que mundo asséptico! e triste!
Quem falou do Fim da História?
Sem imagem de perfil

De monica a 06.02.2006 às 23:21

são uns merdosos, isso é que sim, cheios de medinho dos muçulmanos e a arranjar desculpas. não perceebem que essa espécie de medo não tem fim a não ser que perca o medo ao próprio medo.
Sem imagem de perfil

De Sérgio Aires a 06.02.2006 às 02:31

Ah pois estamos. E não deixa de ser estranho que ainda ninguém (que eu desse conta) tenha falado da blogosfera... Sim, porque foi principalmente através deste espaço de enorme liberdade de expressão que o "fenómeno" dos cartoons ganhou visibilidade.
Sem imagem de perfil

De AMCD a 06.02.2006 às 02:02

Paulatinamente uma espécie de "totalitarismo não político" parece estar a instalar-se nas sociedades ocidentais.

O seu texto lembrou-me uma constatação de José Gil:

"Não estamos muito longe do totalitarismo descrito por Hannah Arendt - um totalitarismo não político, mas não menos destruidor, a longo prazo.
Em Portugal vive-se numa situação particular, de transição das sociedades «disciplinares» para as de controlo, cada vez mais apanhada pela rede geral da globalização." (José Gil, Portugal Hoje - O Medo de Existir, Relógio de Água, 2005, pág. 116).
Sem imagem de perfil

De jcb a 06.02.2006 às 01:31

Touché.

Comentar post




Blog anterior

Aviz 2003>2005