Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



50 anos.

por FJV, em 14.02.13


Vasco Graça Moura é um dos nossos grandes poetas europeus. Na verdade, é um clássico que ultrapassou a fragilidade e as maldições do tempo – e os seus cinquenta anos de vida literária, que agora se assinalam, deviam ser motivo suficiente para relermos a beleza terrível (a expressão é de Yeats) de A Sombra das Figuras, ou de Sonetos Familiares e Uma Carta no Inverno, ou de tudo o que está presente nos dois volumes da Poesia Reunida. Poucos conseguiram, como Vasco Graça Moura, recriar o cânone da nossa grande poesia e comover-nos tão profundamente, entre a ironia e a melancolia, num equilíbrio de grande autor e de respeito pela tradição da melhor poesia do ocidente. O lugar de poeta não esconde, além disso, a sua figura de tradutor (o de Dante, Racine ou Shakespeare), de romancista, de ensaísta culto e exigente. Cinquenta anos não bastam.

[Da coluna do Correio da Manhã]

Autoria e outros dados (tags, etc)




Blog anterior

Aviz 2003>2005